Reflexões de Fidel »

A aliança igualitária

Ao anoitecer de sábado 19, após o opíparo banquete, os líderes da NATO ordenaram o ataque contra a Líbia.

É claro, nada podia acontecer sem que os Estados Unidos reclamassem seu papel irrenunciável de máximo chefe. Do posto de comando dessa instituição na Europa, um oficial superior proclamou que se iniciava a “Odisséia do Amanhecer”.

A opinião pública mundial estava comovida pela tragédia do Japão. O número de vítimas do terremoto, do tsunami, e do acidente nuclear, não tem deixado de crescer. Já são dezenas de milhares as pessoas mortas, desaparecidas e irradiadas. Crescerá consideravelmente também a resistência ao uso da energia nuclear.

O mundo está sofrendo ao mesmo tempo as conseqüências da mudança climática; a escassez e o preço dos alimentos, as despesas militares e o esbanjamento dos recursos naturais e humanos, crescem. Uma guerra era o mais inoportuno que podia acontecer nestes momentos.

O percurso de Obama por América Latina passou para um segundo plano, ninguém apenas se ocupa do tema. No Brasil, tornaram-se evidentes as contradições de interesses entre os Estados Unidos e esse país irmão.

Não se pode esquecer que o Rio de Janeiro concorreu com Chicago pela sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

Obama quis se congraçar com o gigante sul-americano. Falou do “extraordinário ascenso do Brasil” que tem chamado a atenção internacional e elogiou sua economia como uma das que mais rápido cresce no mundo, mas não se comprometeu, no mais mínimo, com apoiar o Brasil como membro permanente do privilegiado Conselho de Segurança

A Presidenta brasileira não hesitou em expressar sua inconformidade com as medidas protecionistas que os Estados Unidos aplicam ao Brasil, através de tarifas e subsídios que têm constituído um forte obstáculo à economia desse país.

O escritor argentino Atilio Boron afirma que a Obama “…o que […] mais lhe interessa em sua qualidade de administrador do império é avançar no controle da Amazônia. Requisito principal desse projeto é entorpecer, visto que não pode deter, a crescente coordenação e integração política e econômica em andamento na região e que tão importantes têm sido para fazer naufragar a ALCA em 2005 e frustrar a conspiração secessionista e golpista na Bolívia (2008) e no Equador (2010). Também deve tratar de plantar a discórdia entre os governos mais radicais da região (Cuba, a Venezuela, a Bolívia e o Equador) e os governos ‘progressistas’
–principalmente o Brasil, a Argentina e o Uruguai…”

“Para os mais ousados estrategistas estadunidenses a bacia amazônica, ao igual do que a Antártida, é uma área de livre acesso onde não se reconhecem soberanias nacionais…”

Amanhã Obama se desloca para o Chile. Chegará precedido de uma entrevista que concedeu ao jornal El Mercurio, publicada hoje domingo, na qual confessa que o “Discurso para as Américas” —assim o qualifica— está na base de uma “aliança igualitária” com a América Latina, que quase nos deixa sem fôlego ao rememorar “A Aliança para o Progresso” que precedeu a expedição mercenária de Playa Girón.

Confessa textualmente: “nossa visão para o hemisfério […] está fundada no conceito de aliança igualitária que tenho perseguido desde que assumi a Presidência dos Estados Unidos”.

“‘Também focarei áreas específicas nas quais podemos trabalhar juntos, como o crescimento econômico, a energia, a segurança cidadã e os direitos humanos’…”

“Essa visão, sublinhou, tem por objetivo ‘melhorar a segurança comum, espalhar as oportunidades econômicas, garantir um futuro energético limpo e apoiar os valores democráticos que partilhamos.”

“…promover um hemisfério seguro, estável e próspero em que os Estados Unidos e os nossos aliados partilhem responsabilidades em assuntos chaves, tanto a nível regional quanto global.”

Tudo, como pode ser apreciado, maravilhosamente belo, digno de ser enterrado como os segredos de Reagan, para publicá-lo dentro de 200 anos. A questão é que tal e como informa a agência DPA, segundo uma sondagem feita pelo jornal La Tercera “…43 por cento da população chilena rejeitava as usinas nucleares em 2006”.

“Dois anos depois a rejeição subiu para 52 por cento e em 2010 chegou a 74 por cento.” Hoje, após o acontecido no Japão atinge “…86 por cento dos chilenos…”

Só faltaria fazer-lhe uma pergunta a Obama. Levando em consideração que um dos seus ilustres predecessores, Richard Nixon, promoveu o golpe de Estado e a morte heróica de Salvador Allende, as torturas e o assassinato de milhares de pessoas, pedirá o senhor Obama desculpas ao povo do Chile?



Fidel Castro Ruz
20 de março de 2011
20h14

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*