Reflexões de Fidel »

Uma espécie em perigo de extinção

Uma espécie em perigo de extinção

Nosso dever é exigir a verdade. A população de todos os países tem direito de conhecer os fatores que originam a mudança climática e quais são as possibilidades atuais da ciência para reverter a tendência, caso ainda se dispuser realmente delas.

Reflexões de Fidel »

Almeida vIVe hoje mais do que nunca

Almeida vIVe hoje mais do que nunca

Levo horas escutando por televisão a homenagem de todo o país ao Comandante da Revolução Juan Almeida Bosque. Considero que encarar a morte era para ele um dever como todos os que cumpriu ao longo de sua vida; não sabia, e nós também não, quanta tristeza nos traria a notícia de sua ausência física.

Reflexões de Fidel »

A CONSCIÊNCIA TRANQÜILA

A CONSCIÊNCIA TRANQÜILA

A humanidade tem problemas muito sérios que encarar. Oxalá não aconteça um desastre com a nossa espécie e muitos possamos ter a consciência tranqüila por ter realizado o maior esforço para evitá-lo.

Reflexões de Fidel »

A DUPLA TRAIÇÃO DA PHILIPS

A DUPLA TRAIÇÃO DA PHILIPS

O chefe da Philips no Brasil disse textualmente à representação cubana: “O governo dos Estados Unidos mantém-se intransigente no relativo às regulamentações dos equipamentos e às solicitações de licenças com respeito a Cuba.”
“Eu sei que o problema afeta o plano do Comandante. Nossa organização está afetada e ameaçada. Todas nossas organizações têm muito medo”. Imediatamente repete: “têm muito medo”.

Reflexões de Fidel »

O fim não justifica os meios

O fim não justifica os meios

Depois de usurpar o poder, W. Bush não apenas arrastou o país a uma política de guerra, mas também deixou de subscrever o Protocolo de Kyoto, negando ao mundo durante 10 anos,  na luta pelo meio ambiente, o apoio da nação que consome o 25 por cento do combustível fóssil, o que pode ocasionar à espécie humana um prejuízo irreparável.

Reflexões de Fidel »

É HORA DA ANALISE E DA MARCHA UNIDA.

É HORA DA ANALISE E DA MARCHA UNIDA.

Um país que se respeite assim proprio não precisa de mercenários, nem soldados, nem bases militares norte-americanas para combater o narcotráfico, nem para proteger à população em casos de desastres naturais, ou oferecer ajuda humanitária a outros povos.

Reflexões de Fidel »

TOMARA ME ENGANE!

TOMARA ME ENGANE!

Li com assombro as notícias do fim de semana a respeito da política interna dos Estados Unidos, onde resulta evidente um desgaste sistemático da influência do Presidente Barack Obama. Seu surpreendente triunfo eleitoral não teria sido possível sem a profunda crise política e econômica desse país. Os soldados norte-americanos mortos ou feridos no Iraque, o

Reflexões de Fidel »

O império e os robôs

O império e os robôs

Se os robôs nas mãos das multinacionais podem substituir os soldados imperiais nas guerras de conquista, quem irá deter às multinacionais na busca de mercado para seus artefatos?

Da mesma maneira em que têm inundado o mundo com automóveis, que hoje concorrem com o homem pelo consumo de energia não renovável e inclusive pelos alimentos transformados em combustível, também podem inundá-lo de robôs que substituam milhões de trabalhadores de seus postos de trabalho.

Reflexões de Fidel »

UMA CAUSA JUSTA QUE DEFENDER E A ESPERANÇA DE SEGUIR PARA A FRENTE

UMA CAUSA JUSTA QUE DEFENDER E A ESPERANÇA DE SEGUIR PARA A FRENTE

Alguns falam de que a crise económica é o fim do imperialismo; talvez haveria que analisar se não significa uma questão pior para a nossa espécie.

Sou da opinião que sempre será melhor ter uma causa justa que defender e a esperança de continuar para a frente. 

Reflexões de Fidel »

As bases Ianques e a soberania Latino-americana

As bases Ianques e a soberania Latino-americana

A história não perdoará aos que cometem essa deslealdade contra os seus povos, tampouco aos que usam como pretexto o exercício da soberania para coonestar a presença de tropas ianques. A que soberania fazem referência? À conquistada por Bolívar, Sucre, San Martín, O´Higgins, Morelos, Juárez, Tiradentes, Martí? Nenhum deles teria aceitado tão repudiável argumento para justificarem a concessão de bases militares às Forças Armadas dos Estados Unidos, um império mais dominante, mais poderoso e mais universal do que as coroas da península ibérica.