Notícias »

Venezuela reitera aos EUA solicitação de extradição de terrorista

Luis Posada Carriles

O Governo venezuelano reitera hoje mediante uma nota oficial sua solicitação aos Estados Unidos de extradição do terrorista Luis Posada Carriles, absolvido recentemente nesse país depois de um julgamento migratório qualificado de farsa.

A Chancelaria anunciou a entrega da nota a representantes diplomáticos de Washington nesta capital, para ratificar o pedido realizado em 2005, a partir da existência de um convênio bilateral de extradição vigente por quase 90 anos.

“Amanhã levaremos um documento ratificando nossa solicitação, de acordo com os tratados internacionais, para que possa se executar aqui o julgamento contra Posada Carriles pela voladura do avião da Cubana de Aviação”, adiantou nesta quarta-feira o ministro de Relações Exteriores, Nicolás Maduro.

O terrorista protegido pelos Estados Unidos é responsável confesso do atentado de outubro de 1976 contra o avião cubano, sabotagem na qual perderam a vida 73 pessoas.

Posada Carriles escapou em 1985 de um cárcere de máxima segurança em San Juan de Los Morros, estado de Guárico, enquanto esperava sentença por esse crime, e desde então tem contas pendentes com a justiça venezuelana.

Caracas qualificou de teatro a recente decisão de um tribunal de El Paso, Texas, de declarar inocente o foragido, que apesar de seu expediente terrorista apenas foi processado por perjúrio e fraude em assuntos migratórios.

No entanto, considera a situação criada pela absolvição uma boa oportunidade para que Washington cumpra com suas obrigações internacionais.

Na realidade não tem outra alternativa, porque se não extraditar Posada Carriles será novamente responsável por cumplicidade com o terrorismo, advertiu a Chancelaria.

Setores da sociedade venezuelana respaldam o julgamento aqui do criminoso confesso, entre eles vítimas da repressão nos anos 70 do século passado, época na que Posada Carriles, sob o pseudônimo de Comissário Basilio, dirigiu na Disip (polícia política) assassinatos e torturas.

(Prensa Latina)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*