Notícias »

Discurso do general-de-exército Raúl Castro Ruz, presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros da República de Cuba, no Segmento de Alto Nível da 70ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas

raul-onu3Queridos Chefes de Estado e de governo;

Distintos chefes das delegações;

Senhor secretário-geral das Nações Unidas;

Senhor presidente:

Há 70 anos atrás, em nome do povo, os membros desta organização subscrevemos a Carta das Nações Unidas. Nós comprometemo-nos a preservar as gerações vindouras do flagelo da guerra e construir uma nova forma de relacionarmo-nos, sob a orientação de um conjunto de objetivos e princípios, que deviam anunciar uma era de paz, justiça e desenvolvimento para toda a humanidade.

No entanto, a partir de então, têm sido constantes as guerras de agressão, a ingerência nos assuntos internos dos Estados, a derrubada pela força dos governos soberanos, os chamados “golpes brandos” e a recolonização de territórios, ações que foram sendo aperfeiçoadas sob formas não convencionais de ação, com a utilização de novas tecnologias e usando como justificação alegadas violações dos direitos humanos.

É inaceitável a militarização do ciberespaço e o emprego encoberto e ilegal das tecnologias de informação e as comunicações para atacar outros Estados, como também é que se deturpe a promoção e proteção dos direitos humanos, utilizando-os de forma seletiva e discriminatória para validar e impor decisões políticas.

Embora a Carta nos chame para “reafirmar a fé nos direitos humanos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana”, o gozo dos direitos humanos continua sendo uma utopia para milhões de pessoas.

À humanidade é negado o direito de viver em paz e seu direito ao desenvolvimento. É na pobreza e na desigualdade que devem ser buscadas as causas dos conflitos gerados pelo colonialismo e a desapropriação dos povos indígenas, em primeiro lugar, e mais tarde por parte do imperialismo e da divisão do mundo em esferas de influência.

O compromisso assumido em 1945 de “promover o progresso social e dar melhores condições de vida” aos povos e elevar seu desenvolvimento econômico e social, continua sendo uma quimera, quando 795 milhões de pessoas passam fome, 781 milhões de adultos são analfabetos e 17 mil crianças morrem diariamente por causa de doenças evitáveis, enquanto as despesas militares anuais no mundo todo totalizam mais de 1,7 trilhão de dólares. Com apenas uma fatia desse montante poderiam ser resolvidos os problemas mais urgentes que afligem a humanidade. Mesmo nos países industrializados praticamente já desapareceram as “sociedades de bem-estar”, que nos eram apresentadas como o modelo a acompanhar. Os sistemas eleitorais e os partidos tradicionais, que dependem do dinheiro e da publicidade, são cada vez mais alienados e distantes das aspirações de seus povos.

A mudança climática ameaça a existência da espécie humana, e os Estados devem tomar responsabilidades comuns mas diferenciadas diante do fato indiscutível de que nem todos os países são igualmente responsáveis ​​pelo que aconteceu, nem desperdiçamos os recursos naturais e humanos em um consumismo irracional e insustentável.

As consequências das alterações climáticas são especialmente devastadoras em pequenos países insulares em desenvolvimento e impõem uma tensão adicional às suas economias frágeis. O mesmo acontece na África, com o aumento inexorável da desertificação.

Solidarizamo-nos com nossos irmãos do Caribe e exigimos que eles tenham um tratamento especial e diferenciado. Nós apoiamos os países africanos e exigimos um tratamento justo para eles, transferência de tecnologia e recursos financeiros (Aplausos).

Senhor presidente:

Com a criação da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e em particular com a assinatura pelos chefes de Estado e de governo, em janeiro de 2014, da Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, ficou demonstrado que, acima das nossas diferenças, podemos caminhar rumo à unidade e atingir objetivos comuns no âmbito da nossa diversidade (Aplausos).

Na proclamação, reafirmamos o compromisso inabalável com os princípios da Carta das Nações Unidas e do Direito Internacional e de resolver as diferenças de forma pacífica, bem como a convicção de que o pleno respeito do direito inalienável de todos os Estados de escolher seu sistema político, econômico, social e cultural é uma condição essencial para assegurar a coexistência pacífica entre as nações. Exigimos que esses princípios sustentem as relações de outros Estados com os da nossa região.

A República Bolivariana da Venezuela terá sempre a solidariedade de Cuba contra as tentativas de desestabilizar e derrubar a ordem constitucional e destruir a obra iniciada pelo companheiro Hugo Chavez Frias (Aplausos) e continuada pelo presidente Nicolás Maduro Moros a favor do povo venezuelano.

Da mesma forma, é nossa firme e irrestrita solidariedade com a República do Equador, com a Revolução Cidadã e seu líder, Rafael Correa Delgado, quem se tornou alvo do mesmo roteiro de desestabilização aplicado contra outros governos progressistas na região (Aplausos).

Expressamos nossa solidariedade às nações do Caribe que procuram justa compensação para os horrores da escravidão e o tráfico de escravos (Aplausos), especialmente em um mundo onde a discriminação racial e a repressão das comunidades negras têm vindo a aumentar.

Reafirmamos nossa convicção de que o povo de Porto Rico merece ser livre e independente, depois de mais de um século sob o domínio colonial (Aplausos).

Solidarizamo-nos com a República Argentina em sua legítima reivindicação de soberania sobre as Ilhas Malvinas, Sandwich do Sul e Geórgia do Sul (Aplausos).

Reiteramos nossa solidariedade e apoio à presidente Dilma Rousseff e ao povo brasileiro na defesa de suas importantes conquistas sociais e a estabilidade do país.

Reafirmamos nossa rejeição à intenção de alargar a presença da OTAN até às fronteiras da Rússia e da imposição de sanções unilaterais e injustas contra aquele país.

Congratulamo-nos com o acordo nuclear com a República Islâmica do Irã, o que prova que o diálogo e a negociação são os únicos instrumentos eficaz para resolver as diferenças entre os Estados.

Renovamos nossa confiança de que o povo sírio será capaz de resolver suas diferenças por si e exigimos o fim da interferência externa.

Uma solução justa e duradoura para o conflito no Oriente Médio exige inexoravelmente, o exercício efetivo do direito inalienável do povo palestino a construir seu próprio Estado dentro das fronteiras anteriores a 1967, com sua capital em Jerusalém Oriental, questão que apoiamos fortemente (Aplausos) .

Nas últimas semanas, têm impactado as imagens das ondas de migração para a Europa, que são resultado direto das ações de desestabilização que a OTAN promoveu e executa no Oriente Médio e Norte da África e do subdesenvolvimento e da pobreza prevalecente nos países do continente africano. A União Europeia deve assumir, de maneira plena e imediatamente, suas responsabilidades com a crise humanitária que ajudou a gerar.

Senhor presidente:

Após 56 anos de resistência heróica e abnegada de nosso povo, foram restabelecidas as relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos.

Inicia-se, agora, um longo e complexo processo para a normalização das relações, que será alcançado quando finalmente chegar o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro; seja devolvido a Cuba o território ilegalmente ocupado pela Base Naval de Guantánamo; acabem as transmissões de rádio e televisão e os programas de subversão e desestabilização contra Cuba, e nosso povo seja compensado pelos danos humanos e econômicos que ainda sofre (Aplausos).

Enquanto persistir, continuaremos apresentando o projeto de resolução intitulado “Necessidade de pôr fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América contra Cuba”.

Aos 188 governos e povos que apoiaram aqui e em vários fóruns internacionais e regionais nossa justa demanda, reitero a gratidão eterna do povo cubano e do governo por seu apoio contínuo.

Senhor presidente:

Cuba comemora, com profundo compromisso, o 70º aniversário das Nações Unidas. Reconhecemos que nos últimos anos ela tem tentado, mas não tem feito o suficiente para proteger as gerações presentes e futuras do flagelo da guerra e do direito ao desenvolvimento sustentável, sem exclusão. A ONU deve ser defendida do unilateralismo e profundamente reformada para democratizá-la e trazê-la mais perto dos povos.

Tal como expressou nesta mesma sala, há 15 anos, o companheiro Fidel Castro Ruz, líder histórico da Revolução cubana, e passo a citar: “Qualquer um pode compreender que o objetivo fundamental das Nações Unidas no novo século urgente que começa, é o de salvar o mundo não só a guerra, mas também do subdesenvolvimento, a fome, as doenças, a pobreza e a destruição dos recursos naturais essenciais para a existência humana. E deve fazê-lo com pressa, antes que seja tarde demais!” – fim da citação.

A comunidade internacional sempre poderá contar com a voz sincera de Cuba contra a injustiça, a desigualdade, o subdesenvolvimento, a discriminação e manipulação; e a favor do estabelecimento de uma ordem mais justa e equitativa, no centro do qual, realmente, esteja o ser humano, sua dignidade e o bem-estar.

Muito obrigado (Ovação)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*