Notícias »

Ratificamos a vontade de Cuba de avançar no sentido da normalização das relações com os Estados Unidos

Bruno discurso 20 julioEx.ma sr.ª Roberta Jacobson, secretária de Estado adjunta e senhores funcionários do governo dos Estados Unidos que a acompanham;

Honoráveis membros do Congresso;

Queridos representantes das organizações, movimentos e instituições norte-americanas que fizeram enormes esforços para mudar a política em relação a Cuba e a melhoria das relações bilaterais;

Queridos representantes das organizações e movimentos da emigração patriótica;

 

Excelências embaixadores;

Companheiros da delegação cubana;

Encarregado de Negócios José Ramón Cabañas, funcionários e trabalhadores da embaixada de Cuba;

Queridas amigas e amigos:

A bandeira que honramos à entrada desta sala é a mesma que aqui foi arriada há 54 anos, foi conservada zelosamente na Flórida por uma família de libertadores e, em seguida, no Museu de nossa cidade oriental de Las Tunas, em antecipação a este dia teria que vir.

Tremula de novo neste lugar a bandeira da estrela solitária que encarna o generoso sangue derramado, o sacrifício e a luta de mais de um século de nosso povo pela independência nacional e a autodeterminação plena, enfrentando os mais graves desafios e perigos.

Prestamos homenagem a todos aqueles que caíram em sua defesa e renovamos o compromisso das gerações presentes e, com total confiança naquelas que virão, de servir a essa bandeira com honra.

Nós invocamos a memória de José Martí, que viveu dedicado à luta pela liberdade de Cuba e conheceu profundamente os Estados Unidos. Em sua obra Cenas da América do Norte, ele nos deixou uma descrição clara da grande nação do norte e os elogios do melhor dela. Ainda, também nos legou a advertência de seu desejo excessivo de dominação que uma história de desentendimentos confirmou.

Temos chegado até aqui por causa da liderança forte e sábia do líder histórico da Revolução cubana, Fidel Castro Ruz, a cujas ideias sempre guardaremos lealdade suprema (Aplausos). Lembramo-nos de sua presença nesta cidade, em abril de 1959, para promover relações bilaterais justas e sua sincera homenagem a Lincoln e a Washington. Os propósitos que o fizeram vir aqui, naquela data, são aqueles que temos tentado nas últimas décadas e coincidem exatamente com os que nos propomos hoje.

Muitos nesta sala, políticos, jornalistas, personalidades das letras ou das ciências, estudantes, ativistas sociais norte-americanos, lembram as infindáveis ​​horas de conversa enriquecedora com o comandante, que lhes permitiram compreender melhor nossas razões, objetivos e decisões.

Este ato foi possível graças à livre e inquebrantável vontade, unidade, sacrifício, abnegação, a heróica resistência e o trabalho do nosso povo e pela força da nação e da cultura cubanas.

Várias gerações da diplomacia revolucionária se juntaram neste esforço e deram seus mártires. O exemplo e o verbo emocionante de Raul Roa, o chanceler da Dignidade, continua incentivando a política externa cubana e estará na memória dos mais jovens e dos futuros diplomatas.

Eu sou o portador dos cumprimentos do presidente Raul Castro Ruz, expressão da boa vontade e da forte decisão política de avançar, mediante o diálogo baseado no respeito mútuo e a igualdade soberana, no caminho de uma convivência civilizada, mesmo dentro das diferenças entre os dois governos, que favoreça a solução de assuntos bilaterais, promova a cooperação e o desenvolvimento de vínculos mutuamente vantajosos, como desejam e merecem ambos os povos.

Sabemos que esta seria uma contribuição para a paz, o desenvolvimento, a igualdade e a estabilidade no continente, ao exercício dos propósitos e princípios consagrados na Carta das Nações Unidas e na Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz assinada na 2ª Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-americanos e do Caribe, em Havana.

Com o restabelecimento das relações diplomáticas e a reabertura de embaixadas, termina hoje uma primeira etapa do diálogo bilateral e se abre o caminho rumo ao certamente complexo e longo processo para a normalização das relações bilaterais.

O desafio é grande, pois nunca houve relações normais entre os Estados Unidos e Cuba, apesar de um século e meio de ligações intensas e enriquecedoras entre os povos.

A Emenda Platt, imposta em 1902 sob a ocupação militar, cerceou um esforço libertador que tinha contado com a participação ou simpatia de não poucos cidadãos norte-americanos e levou à usurpação de território cubano de Guantánamo. Suas consequências desastrosas marcaram de forma indelével nossa história comum.

Em 1959, os Estados Unidos não aceitaram a existência de uma pequena ilha vizinha completamente independente e alguns anos mais tarde, ainda menos, a de uma Revolução socialista que teve de se defender, e desde então, personifica a vontade de nosso povo.

Cito a história para dizer que hoje se abre a oportunidade de começar a trabalhar para estabelecer umas relações bilaterais novas e diferentes de tudo o anterior. Para isso, o governo cubano compromete toda sua vontade.

Apenas a remoção do bloqueio econômico, comercial e financeiro, que tanto danos e privação causa a nosso povo, o retorno do território ocupado de Guantánamo e o respeito à soberania de Cuba vão dar sentido ao fato histórico que estamos vivendo hoje.

Cada passo que seja dado contará com o reconhecimento e a disposição favorável de nosso povo e do governo, e provavelmente vai receber o encorajamento e bênção da América Latina e do Caribe e do mundo.

Ratificamos a vontade de Cuba de avançar no sentido da normalização das relações com os Estados Unidos, num espírito construtivo, mas sem abrirmos mão da nossa independência, nem a interferência em assuntos relativos ao domínio exclusivo da soberania do povo cubano.

Persistir em objetivos obsoletos e injustos e propor-se apenas uma mera mudança nos métodos para alcançá-los, não vai tornar legítimos aqueles nem ajudará ao interesse nacional dos Estados Unidos, nem ao dos seus cidadãos. No entanto, se assim ocorresse, estaríamos dispostos a aceitar esse desafio.

Chegaremos a esse processo, tal como o presidente Raúl Castro escreveu em sua carta de 1º de julho ao presidente Barack Obama, “animados pela intenção mútua de desenvolver relações de amizade e cooperação entre os nossos povos e governos”.

A partir desta embaixada vamos continuar trabalhando com empenho para promover as relações culturais, econômicas, científicas, acadêmicas e esportivas e os laços de amizade entre nossos povos.

Transmitimos o respeito e o reconhecimento do governo cubano para o presidente dos Estados Unidos por seu apelo ao Congresso para levantar o bloqueio e a mudança de política que enunciou, no particular pela disposição que manifestou de exercer seus poderes executivos para o efeito (Aplausos).

Lembramo-nos especialmente da decisão do presidente Carter de abrir respectivas Repartições de Interesses, em setembro de 1977.

Tenho o prazer de agradecer ao governo da Confederação Suíça por sua representação dos interesses cubanos, durante os últimos 24 anos.

Em nome do governo e do povo de Cuba, gostaria de expressar nossa gratidão aos membros do Congresso, acadêmicos, líderes religiosos, ativistas, grupos de solidariedade, empresários e muitos cidadãos norte-americanos que lutaram ao longo de muitos anos para chegar a este dia.

À maioria dos cubanos que vivem nos Estados Unidos, que defenderam e exigiram uma relação diferente entre este país e nossa nação lhe expressamos o reconhecimento. Eles nos disseram, comovidos, que multiplicarão seus esforços, fiéis à tradição da emigração patriótica que serviu para apoiar aos ideais de independência.

Expressamos a gratidão para com nossos irmãos latino-americanos e caribenhos, que estiveram de maneira decisiva junto a nosso país e pediram um novo capítulo nas relações entre os EUA e Cuba, tal como fizeram com notável constância muitos amigos em todo o mundo.

Reitero o nosso apreço aos governos, aqui representados pelo corpo diplomático, cuja voz e voto na Assembleia Geral das Nações Unidas e em outros lugares deu uma contribuição decisiva.

José Martí organizou daqui o Partido Revolucionário Cubano para conquistar a liberdade, toda a justiça e a dignidade plena do homem. Suas ideias, heroicamente reclamadas no ano de seu centenário, continuam sendo a inspiração essencial neste caminho que nosso povo soberanamente escolheu.

Muito obrigado (Aplausos).

(Tradução da versão estenográfica do Conselho de Estado)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*