Notícias »

Rene Gonzalez: Nunca pensei ter que escrever-te esta carta

24 de fevereiro de 2012.

Meu irmão de toda a vida:

Nunca pensei ter que escrever-te esta carta. Partilhamos o mesmo desamor pela troca epistolar, coisa bem demonstrada durante nossas respectivas missões internacionalistas ou – mais especificamente – na experiência única dos últimos vinte anos. Noutras palavras, só condições extraordinárias como as atuais me obrigariam a escrevê-la.

Se as condições fossem ordinárias estas coisas deveria dizer-te-as pessoalmente e muitas nem sequer teria que dizê-las. Deveria de ser suficiente para ti com essa luta incansável contra uma doença que procura devorar-te, mas é preciso acrescentar a isso o enfrentamento contra uma doença muito mais letal: o ódio.

O ódio que não me permite retribuir-te todos teus esforços com esse merecido abraço que quiséssemos dar-te os Cinco.

O ódio que não me deixa unir meu riso a cada bom sentido do humor que emanam de tua imensa coragem.

O ódio que me obriga a adivinhar pela força do teu alento, através do telefone, o acidentado deslocamento das linhas da frente nesta batalha que travas.

O ódio que me impõe a angustia de não poder acompanhar durante teu cuidado a todos os que te querem; e que me impede estar aí para apoiar Sary y os filhos.

O ódio que me nega ver como os nossos sobrinhos encaram esta situação, que viraram homens e mulheres durante estes anos. Quanto orgulho podes sentir de teus filhos!

O ódio que não me permite simplesmente abraçar meu irmão. Que me obriga a continuar desde um absurdo e afastado enclaustramento um processo do qual deveria fazer parte, como qualquer outra pessoa que cumpriu uma sentença de prisão, já de por si suficientemente longa, ditada precisamente pelo ódio; mas ainda insuficiente para ele.

O que fazer perante tanto ódio? Suponho que o que temos feito sempre: Amar a vida e lutar por ela, tanto a nossa quanto a dos outros. Encarar todos os obstáculos com um sorriso nos lábios, com uma brincadeira oportuna, com esse otimismo que nos inculcaram desde a infância. Ir para frente e não fraquejar, não render-nos nunca; sempre juntos e bem perto, por mais que insistam em afastar-me de meus afetos para castigar-nos assim a todos.

Hoje me lembro daqueles bonitos dias de tua época de atleta. Você na piscina e nós nas arquibancadas gritando teu nome enquanto você bracejava e o som de nossas vozes que te chegava intermitente cada vez que assomavas a cabeça para respirar. Depois nos contavas como por vezes escutavas teu nome completo, por vezes apenas o princípio e outras vezes o final. Então nos treinamos para esperar que sacaras a cabeça da água e nesse instante todos, ao uníssono, gritávamos teu nome. Não podias ver-nos, mas o clamor de nossa presença chegava a ti e sabias que estávamos contigo embora não pudéssemos intervir diretamente na lide que se desenvolvia na piscina.

Hoje a história se repete. Enquanto te enfrentas com todas tuas forças a este desafio, sigo-te animando, agora somado à família que então não tinhas construído. Embora que não podes ver-me sabes que estou aí, junto da tua família que é a minha. Sabes que este irmão, desde o seu insólito desterro, desde a angústia da desesperação forçada, nas condições de liberdade supervisionada mais absurda, desde a digna condição de patriota cubano que você também possui e desde o carinho semeado com o sangue e pelas vivências que nos unem está e estará sempre contigo. Cada vez que assomes a cabeça poderás sentir meu clamor junto ao dos meus sobrinhos.

Respira irmão, respira!

Te quere teu irmão,

René

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*