Notícias »

OTAN confirma entrada na Líbia para perseguir Kadafi

O ministro britânico de Defesa, Liam Fox, confirmou hoje que a OTAN apoia os rebeldes e contribui com inteligência e equipamentos de reconhecimento na perseguição do líder líbio Muammar Kadafi.

Fox declarou à emissora de televisão Sky News que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) proporciona recursos ao chamado Conselho Nacional de Transição líbio (CNT) para lhes ajudar a descobrir o paradeiro de Kadafi.

Não obstante, o ministro negou que forças de elite do exército britânico, as SAS (Serviço Especial Aéreo), estivessem em solo líbio participando das agressões dos rebeldes contra forças leais ao Governo.

O jornal londrino The Guardian denunciou ontem que esses militares se uniram a forças especiais e têm atuado como controladores aéreos e como assessores nas táticas de combate dos opositores na nação norte-africana.

Agentes britânicos já estavam na Líbia desde fevereiro passado, antes do mandato da ONU para criar uma zona de exclusão aérea sobre o Estado magrebe bob o pretexto de proteger a população civil, afirmou o rotativo.

Por outro lado, a porta-voz da OTAN, Oana Lungescu, declarou que o CNT pediu às autoridades militares da Aliança apoio aos rebeldes como parte do respaldo internacional.

Também assinalou que o órgão de direção política do grupo dos Vinte e oito solicitou à estrutura militar do bloco que examinasse formas de colocar uma possível missão de estabilidade na Líbia, sob o mandato da ONU.

Desde que a OTAN tomou o comando das operações militares na Líbia, no final de março, realizou cerca de 20 mil incursões aéreas, incluindo 7.500 bombardeios contra forças do Governo.

De acordo com os mais recentes relatórios de fontes oficiais de Trípoli, na última semana os bombardeios dos aliados contra a Líbia deixaram ao redor de dois mil mortos e 1.800 feridos.

(Prensa Latina)

1 Comentario

Hacer un comentario
  1. martinho júnior / PáginaGlobalBlogspot

    RISCOS ACRESCIDOS PARA ÁFRICA.

    (…)

    Seguir a trilha da fuga de Kadafi é agora o pretexto para as ingerências, ao mesmo tempo que na Líbia aos esforços de guerra se seguem os esforços dos serviços de inteligência associados aos primeiros socorros “humanitários” ao país.

    O Obama é já, com o banho de sangue da Líbia, mais um criminoso a juntar-se a George Bush e a Tony Blair, entre aqueles criminosos que jamais serão julgados, nem pelo TPI, nem por qualquer outro tribunal.

    De entre as suas maiores culpas: esquecer-se por completo de suas remotas raízes africanas e não tentar ao menos ouvir aqueles que em África propunham o diálogo e uma via pacífica para a solução do conflito líbio, que acabou aliás por ser estimulado também pelos Estados Unidos!

    Martinho Júnior.

    Luanda

    http://paginaglobal.blogspot.com

    Responder     

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*