Artículos de NATO

Reflexões de Fidel »

CINISMO GENOCIDA (PRIMEIRA PARTE)

CINISMO GENOCIDA (PRIMEIRA PARTE)

Nenhuma pessoa em seu bom censo, especialmente aqueles que tiveram acesso aos conhecimentos elementares que são adquiridos em uma escola primária, concordaria com que nossa espécie, de modo particular os que são crianças, adolescentes ou jovens, sejam privados hoje, amanhã e para sempre do direito a viver. Jamais os seres humanos ao longo de sua história azarenta, como pessoas dotadas de inteligência, conheceram experiência semelhante. Sinto-me no dever de transmitir àqueles que se tomam a moléstia de ler estas reflexões, o critério de que todos, sem exceção, estamos na obrigação de criar consciência sobre os riscos que a humanidade está correndo de forma inexorável, rumo a uma catástrofe definitiva e total como conseqüência das decisões irresponsáveis de políticos aos quais o azar, mais do que o talento ou o mérito, colocou em suas mãos o destino da humanidade.

Reflexões de Fidel »

O papel genocida da NATO (Quinta parte)

O papel genocida da NATO (Quinta parte)

“Como alguns sabem, em setembro de 1969, Moamar al-Khaddhafi, um militar árabe beduíno de peculiar caráter e inspirado nas idéias do líder egípcio Gamal Abdel Nasser, promoveu no seio das Forças Armadas um movimento que derrocou o Rei Idris I da Líbia, um país desértico quase na sua totalidade e de escassa população, situado ao norte da África, entre a Tunísia e o Egito.”

Reflexões de Fidel »

O papel genocida da NATO (Quarta parte)

O papel genocida da NATO (Quarta parte)

“Diferentemente do que acontece no Egipto e Tunísia, a Líbia ocupa o primeiro lugar no Índice de Desenvolvimento Humano da África e tem a mais alta esperança de vida do Continente. A educação e a saúde recebem especial atenção do Estado. O nível cultural de sua população é muito alto, sem dúvidas. Seus problemas são de outro caráter. [...] O país requeria abundante força de trabalho estrangeira para levar a cabo ambiciosos planos de produção e desenvolvimento social.”

Reflexões de Fidel »

O Papel genocida da NATO (parte III)

O Papel genocida da NATO (parte III)

“Graças à traição de Mubarak em Camp David o Estado árabe palestino não conseguiu existir, apesar dos acordos da ONU de novembro de 1947, e Israel se tornou em uma forte potência nuclear aliada aos Estados Unidos e à NATO. “O Complexo Militar Industrial dos Estados Unidos forneceu dezenas de milhares de milhões de dólares cada ano a Israel e aos próprios estados árabes por ele submetidos e humilhados.

Reflexões de Fidel »

O PAPEL GENOCIDA DA NATO (SEGUNDA PARTE)

O PAPEL GENOCIDA DA NATO (SEGUNDA PARTE)

“Poder-se-á concordar ou não com o Khaddhafi. O mundo tem sido invadido com todo o tipo de notícias, empregando especialmente os meios maciços de informação. Haverá que esperar o tempo necessário para conhecer a rigor quanto tem de verdade ou de mentira, ou uma mistura de fatos de todo o tipo que, no meio do caos, aconteceram na Líbia. O que para mim resulta absolutamente evidente é que ao Governo dos Estados Unidos não lhe preocupa em absoluto a paz na Líbia, e não hesitará em dar à NATO a ordem de invadir esse rico país, talvez em questão de horas ou muito breves dias.

Reflexões de Fidel »

Chávez, Evo e Obama (Segunda Parte e Final)

Chávez, Evo e Obama  (Segunda Parte e Final)

Se nosso Prêmio Nobel se auto-engana, alguma coisa que está por provar, isso tal vez explique as incríveis contradições de seus raciocínios e a confusão plantada entre seus ouvintes. Não há um ápice de ética, e nem sequer de política, em sua tentativa de justificar sua anunciada decisão de vetar qualquer resolução a favor do reconhecimento da Palestina como Estado independente e membro das Nações Unidas. Até políticos, que em nada partilham um pensamento socialista e chefiam partidos que foram íntimos aliados de Augusto Pinochet, proclamam o direito da Palestina a ser membro da ONU.

Reflexões de Fidel »

Chávez, Evo e Obama (Primeira parte)

Chávez, Evo e Obama (Primeira parte)

Faço alto nas tarefas que ocupam a totalidade de meu tempo nestes dias, para dedicar umas palavras à singular oportunidade que oferece para a ciência política o sexagésimo sexto período da Assembléia-Geral das Nações Unidas. O acontecimento anual demanda um singular esforço dos que assumem as mais altas responsabilidades políticas em muitos países. Para eles, constitui uma dura prova; para os amadores a essa arte, que não são poucos visto que a todos afeta vitalmente, resulta difícil subtrair-se à tentação de observar o interminável mas instrutivo espetáculo.

Opiniões »

Fidel Castro: Aonde nos conduziria a nova e insustentável doutrina da NATO?

fidel-castro-universidad-habana-27-noviembre-1960-discurso-580x390

Intervenção do Presidente da República de Cuba, Fidel Castro Ruz, na Primeira Sessão de Trabalho da Cimeira de Chefes de Estado e de Governo de América-Latina e o Caribe-União Européia. Río de Janeiro, Brasil, a 28 de junho de 1999.

Notícias »

Cuba retira sua missão diplomática da Líbia

minrex

Cuba anunciou o retiro da sua missão diplomática na Líbia, reiterando que não reconhece Conselho Nacional de Transição como autoridade nacional. “A República de Cuba não reconhece nem o Conselho Nacional de Transição nem qualquer outra autoridade de transição; ela só vai reconhecer o governo que será criado no país de forma legítima e sem interferências estrangeiras”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores do país através de comunicado .

Opiniões »

Como a al-Qaeda chegou ao poder em Trípoli

gal_4256

O nome do homem é Abdelhakim Belhaj. Alguns o conhecem no Oriente Médio, mas poucos no ocidente algum dia ouviram seu nome. Vamos por partes. Porque a história de como um comandante da al-Qaeda acabou por converter-se no principal comandante militar líbio na cidade de Trípoli ainda em guerra, põe por terra – mais uma