Artigos de economia

Notícias »

Expectativa por medidas oficiais para impulsionar economia brasileira

brasil-dilma16-3

Brasília, 2 abr (Prensa Latina) A expectativa domina hoje empresários brasileiros diante do anúncio pela presidenta Dilma Rousseff de um conjunto de medidas econômicas destinadas a assegurar maior capacidade de investimento para o setor privado. Rousseff, que esteve toda a semana passada em Nova Déli, onde participou da IV Cúpula BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e realizou uma visita de Estado a essa nação asiática, afirmou a jornalistas que depois de seu regresso a Brasília pretendia divulgar um plano de medidas para estimular a economia nacional.

Reflexões de Fidel »

A REUNIÃO DO G-20

A REUNIÃO DO G-20

Poderia alguém esquecer que Estados Unidos foi o país que impediu o Acordo de Quioto quando dispunha de um pouco mais de tempo para impedir uma catástrofe com a mudança climática que se está produzindo a olhos vista? Nos dias 28 e 29 do mês de outubro que acaba de transcorrer, houve outra reunião de Chefes de Estados e Governos que integram a Comunidade de Países Ibero-americanos. Entre as calamidades que tiveram que suportar os povos de fala espanhola e portuguesa, está o fato de ser a região do mundo com mais desigualdade na distribuição das riquezas.

Notícias »

Estadunidenses preparados para grande protesto mundial

anti Wall Street

Milhares de estadunidenses preparam-se hoje para somar-se a milhões de pessoas no mundo que tomarão ruas e praças amanhã para protestar contra a inequidade do sistema financeiro, segundo fontes dos manifestantes. Presente em cidades como Nova York, Washington, Boston, Filadelfia, Los Angeles, Chicago, Miami, Dallas, e em mais de 60 cidades do país, os chamados indignados se somarão às manifestações que neste sábado deixarão sentir sua mensagem de inconformidade em mais de 71 países de todos os continentes.

Opiniões »

A crise da direita latino-americana

América Latina

A direita latino-americana vive o pior momento da sua história na América Latina. Uma situação correlata à expansão, inédita, de tantos governos progressistas na região e do isolamento dos EUA no continente. O momento de maior força da direita residiu no auge dos governos neoliberais, porque ali forças de origens distintas adotavam o receituário do FMI e do Banco Mundial, confluindo para um consenso continental inédito em torno das políticas predominantes no campo da direita em escala internacional. Poder dispor no campo da direita de partidos conservadores, mas também de forças como o PRI e o PAN no México, o PS e a DC no Chile, Copei e AD na Venezuela, o peronismo na Argentina – para dar alguns exemplos eloquentes – revelava uma capacidade hegemonia do seu projeto, que nunca a direita havia disposto anteriormente.