Reflexões de Fidel »

SE EU FOSSE VENEZUELANO

Amanhã é um dia importante para a Venezuela. Estão anunciadas as eleições para escolher 165 membros do Parlamento, e à volta do importante evento se leva a cabo uma histórica batalha.

Mas ao mesmo tempo, as notícias sobre o estado do tempo são desfavoráveis. Fortes chuvas estão açoitando a terra que foi o berço do Libertador.

As chuvas excessivas afetam os pobres mais do que a ninguém. São os que têm as moradias mais modestas, moram nos bairros mais esquecidos historicamente, com difícil acesso, ruas ruins e menos trânsito. Quando as águas invadem seus lares, perdem tudo. Eles não dispõem das moradias cômodas e seguras dos ricos, suas amplas avenidas e abundantes meios de transporte.

Não se trata de uma eleição presidencial. Nas exclusivamente parlamentares, a população se mobiliza pouco e soe restar-lhe importância.

Em geral, onde o imperialismo domina e a oligarquia oportunista recebe uma parte substanciosa dos bens e serviços nacionais, as massas não têm nada que ganhar ou perder e ao império não lhe preocupa em absoluto as eleições. Nos Estados Unidos nem sequer as eleições presidenciais mobilizam mais de 50% dos que têm direito de votar.

Por que então seus enormes recursos midiáticos se viram desta vez contra a Venezuela e a submetem a um bombardeio implacável de mentiras e calúnias contra o Governo Revolucionário Bolivariano?

Não tentarei amontoar argumentos para persuadir um povo Valente e digno como o da Venezuela. Tenho assistido as mobilizações populares e o fervor de milhões de pessoas, especialmente da gente mais humilde e combativa, que teve o privilégio de viver uma etapa nova na história do seu país e que tem devolvido ao povo os fabulosos recursos da Venezuela. Já a sua Pátria não é uma nação de analfabetos, onde milhões de homens, mulheres e crianças sobreviviam na extrema pobreza.

Não lhes falarei de uma experiência que Cuba viveu, da qual falam 50 anos de resistência heróica frente ao bloqueio e os repugnantes crimes do Governo dos Estados Unidos.

Digo-lhes simplesmente o que faria se eu fosse venezuelano.

Encararia as chuvas e não permitiria que o império tirasse delas proveito algum; lutaria junto dos vizinhos e familiares para proteger pessoas e bens, mas não deixaria de ir votar como um dever sagrado: à hora que for, antes de que chova, quando chova, ou depois que chova, enquanto haja um colégio aberto.

Estas eleições têm uma importância enorme e o império sabe disso: quer restar-lhe força à Revolução, limitar sua capacidade de luta, priva-la das duas terceiras partes da Assembléia Nacional para facilitar seus planos contra-revolucionários, incrementar sua vil campanha midiática e continuar cercando a Venezuela de bases militares, cercando-a cada vez mais com as letais armas do narcotráfico internacional e a violência.

Se existirem erros não renunciaria jamais à oportunidade que a Revolução oferece de retificar e ultrapassar obstáculos.

Se eu fosse venezuelano, mesmo debaixo de raios e centelhas, lutaria até o impossível para converter o dia 26 de setembro em uma grande vitória.    


Fidel Castro Ruz
25 de setembro de 2010
14h17

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*