Reflexões de Fidel »

UM PRÉMIO NOBEL PARA MRS. CLINTON

O interminável documento que ontem foi lido pelo Nobel Oscar Arias é muito pior do que os 7 pontos da acta de rendição que propusera no dia 18 de julho.

Não se comunicava com a opinião internacional através do código Morse. Falava perante as cámaras de televisão que transmitiam a sua imagem e todos os pormenores do vulto humano, que soe ter tantas variáveis como as marcas digitais de uma pessoa. Qualquer uma intenção mentirosa pode ser descoberta com facilidade. Eu o observava cuidadosamente.
 
Entre os telespectadores, a grande maioria conhecia que em Honduras aconteceu um golpe de Estado.  Através desse meio foi informado a respeito dos discursos pronunciados na OEA, na ONU, no SICA, na Cimeira dos Não Alinhados e em outros foros; tinham visto os atropelos, os abusos e a repressão ao povo em actividades que conseguiram reunir centenas de milhares de pessoas a protestar contra o golpe de Estado.
 
O mais esquisito é que, quando Arias expunha a sua nova proposta de paz, não delirava;  acreditava naquilo que estava a dizer.
 
Embora muito poucos em Honduras pudessem ver as imagens, no resto do mundo muitas pessoas viram-no e também o tinham visto quando ele propôs os famosos 7 pontos em 18 de julho. Sabiam que o primeiro deles dizia textualmente: “A legítima restituição de José Manuel Zelaya Rosales na Presidência da República até ao fim do período constitucional pelo qual foi eleito…”
 
Todos desejavam saber o que diria ontem à tarde o mediador. O reconhecimento dos directos do Presidente Constitucional de Honduras, com as faculdades reduzidas quase a zero na primeira proposta, foi relegado para um sexto lugar no segundo projecto de Arias, onde nem sequer é empregada a frase “legitimar a restituição.”
 
Muitas pessoas honestas ficam espantadas e talvez atribuem a obscuras manobras dele o que disse ontem. Talvez eu seja um dos poucos no mundo que compreenda que havia uma auto-sugestão, mais do que uma intenção deliberada nas palavras do Nobel da Paz. Reparei nisso especialmente quando Arias, com especial ênfase e palavras entrecortadas pela emoção, falou da multidão de mensagens que Presidentes e líderes mundiais, comovidos pela sua iniciativa, lhe remeteram. É o que se passa pela sua cabeça; nem sequer percebe que outros Prémios Nobel da Paz, honestos e modestos, como Rigoberta Menchú e Adolfo Pérez Esquivel, ficam indignados pelo que aconteceu em Honduras.
 
Sem dúvida nenhuma grande parte dos governos civis da América Latina, os quais conheciam que Zelaya tinha aprovado o primeiro projecto de Arias e confiavam na cordura dos golpistas e dos seus aliados ianques, respiraram com alívio, que apenas durou 72 horas.
 
Visto de outro ângulo, e voltando às coisas que prevalecem no mundo real, onde o império dominante existe e quase 200 estados soberanos têm que lidar com todo o tipo de conflictos e interesses políticos, económicos, do meio ambiente, religiosos e outros, só falta algo para premiar a genial ideia ianque de pensar em Oscar Arias, para tratar de ganhar tempo, consolidar o golpe, e desmoralizar os organismos internacionais que apoiaram Zelaya.
 
No 30º Aniversário do Triunfo da Revolução Sandinista, Daniel Ortega a lembrar com amargura o papel de Arias no primeiro Acordo de Esquipulas, declarou perante uma enorme multidão de patriotas nicaragüenses: “Os ianques o conhecem bem, por isso o escolheram como mediador em Honduras”. Nesse mesmo comício, Rigoberta Menchú, de ascendência indígena, condenou o golpe.
 
Se simplesmente eram cumpridas as medidas acordadas na reunião de Ministros dos Negócios Estrangeiros em Washington, o golpe de Estado não teria podido sobreviver à resistência pacífica do povo hondurenho.
 
Agora os golpistas já estão a se movimentar nos sectores oligárquicos da América Latina, alguns dos quais, desde altas posições estatais, já não se ruborizam ao falarem das suas simpatias pelo golpe e o imperialismo pesca no rio remexido da América Latina. Exatamente o que os Estados Unidos desejavam com a iniciativa de paz, enquanto aceleravam as negociações para rodearem de bases militares a pátria de Bolívar.
 
É preciso sermos justos, e enquanto esperamos a última palavra do povo de Honduras, devemos demandar um Prémio Nobel para Mrs. Clinton.      
 
Fidel Castro Ruz
23 de julho de 2009
14h30

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*