Reflexões de Fidel »

A China nas notícias internacionais

Da reflexão tomada de CubaDebate publicada em nossa imprensa na segunda-feira 30, titulada: “A China, a futura grande potência econômica”, a maioria dos telexes internacionais informaram apenas o relativo às minhas críticas às declarações de Biden, em Viña del Mar. Só EFE dedicou umas linhas no final de seu despacho, ao tema principal do artigo. Reconhecer o crescente papel da China na economia mundial resulta um gole amargo para Ocidente.

Contudo, a grande imprensa continua falando do pujante poder econômico da China. Ontem 29, a agência de notícias DPA expressava que “a China pegou de surpresa os Estados Unidos com a ousada proposta de substituir o dólar como principal divisa internacional, por uma nova ‘super moeda’.” A seguir informa que a China luta contra o poder dominante dos Estados Unidos no sistema financeiro mundial; torna-se eco da opinião do Banco Central Chinês, que considera a crise e suas conseqüências em todo o mundo um reflexo da fragilidade interna e dos riscos inerentes do sistema monetário internacional que seu país deseja mudar, com a nova moeda de reserva.  Alude, a favor de sua tese, que já o famoso economista britânico John Maynard Keynes propôs nos anos 40 uma moeda global.

Sublinha no mesmo telex que “a China aspira a obter um posto de Diretor no FMI, um organismo até agora dominado pelos Estados Unidos e que, segundo as previsões do G-20, deve assumir os sistemas financeiros nacionais”.

“Como o maior dos países emergentes, a China exige mais influência para os Estados pobres especialmente golpeados pela crise.”

Reitera em sua argumentação o conhecido fato de que a China, com um montante de 740 biliões de dólares em bônus da Tesouraria norte-americana, é o principal credor dos Estados Unidos.
 
Não se deve esquecer que a Alemanha, sede do escritório central da DPA está preocupada pelo papel ruinoso que a política econômica dos Estados Unidos exerce sobre a Europa. Alemanha é, na atualidade, o país industrializado que exporta a mais alta percentagem de seu Produto Interno Bruto. A crise econômica a afeta mais do que a nenhum outro.

A opinião pública mundial tem o dever e o direito de conhecer mais sobre os problemas econômicos de uma crise que bate hoje todos os povos do mundo.


Fidel Castro Ruz
30 de março de 2009
13h20

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*