Reflexões de Fidel »

Os fatos dão-me a razão

Na terça-feira, 17 de Março escrevi: “O Clássico foi organizado por aqueles que administram a exploração do desporto nos Estados Unidos…” Logo acrescentei: “As três melhores equipas do Clássico e das Olimpíadas: o Japão, a Coréia e Cuba, foram colocadas no mesmo grupo para que se eliminassem entre si. Na vez anterior fomos incluídos no grupo latino-americano, nesta oportunidade no grupo asiático.

“Por isso, em San Diego, entre hoje e amanhã, um dos três será eliminado inevitavelmente…”

Nesse mesmo artigo fazendo referência aos jogadores da equipe da República da Coréia, expressei: “Constituem o adversário principal porque também são metódicos e batem a bola com maior força do que os japoneses”.

Dois dias mais tarde, em 19 de Março expliquei: “No jogo que concluiu hoje quase às três horas da madrugada entre as equipas do Japão e Cuba, fomos indubitavelmente vencidos.

“Duvido, contudo, que alguma equipa de Ocidente possa derrotar ao Japão e à Coréia no grupo de competidores que jogarão em Los Angeles os próximos três dias. Apenas um dos dois países asiáticos com a sua qualidade, decidirá quem ocupará o primeiro e o segundo lugar do Clássico.”

A respeito dos japoneses ofereci detalhes:

“Os treinos são incrivelmente rigorosos e metódicos. Já criaram métodos técnicos para desenvolver os reflexos que se precisam de cada jogador. Os batedores a cada dia exercitam a batida centenas de vezes. Os lançadores, por sua vez, vêm se obrigados a fazer quatrocentos lançamentos a cada dia. Se cometem algum erro no jogo, devem então fazer mais cem lançamentos. O fazem com prazer, como uma autopunição… É por isso que os seus lançadores causam admiração pela capacidade de colocar as bolas nos pontos exactos que decidem. Aplicam métodos semelhantes a cada uma das actividades que deve fazer cada atleta nas posições que defende e nas suas actividades como batedor.

“Com idênticas características são desenvolvidos os atletas do outro país asiático: isto é, a República da Coréia, que já é uma poderosa potência do beisebol profissional mundial.”

Os fatos aconteceram exactamente desta maneira:

Ontem, passadas as 12h30 da noite, hora de Cuba, a equipa da Coréia venceu 10 por 2 a equipa da Venezuela, apesar da magnífica qualidade profissional dessa equipa. Não tinham possibilidade de vencer perante a metodologia sofisticada de preparação e o rigor coreanos.

Pôde ter-se evitado ao lançador venezuelano Carlos Silva, uma  desnecessária humilhação quando, depois de permitir que o primeiro rebatedor atingisse a primeira base e após dois erros cometidos pela defesa, os batedores coreanos conseguissem bater na bola três vezes seguidas, pondo o marcador um por zero e a possibilidade de que todas as bases ocupadas ficassem ocupadas, sem out, na primeira entrada. Os coreanos estavam a adivinhar os lançamentos de Silva e sem dúvida teve que ser substituído. Ele permitiu um home run com três jogadores em base o que deu vantagem à Coréia de 5 por 0 na própria primeira entrada. Com uma equipa como a do país asiático, nessa entrada o jogo já estava decidido, embora é justo salientar que a selecção venezuelana lutou e não se desmoralizou durante todo o jogo. Finalmente seu objectivo era só evitar o marcador de knockout.

O jogo hoje à noite entre o Japão e os Estados Unidos é um encontro de trâmites apenas.

Na segunda-feira os espectadores, dentro e fora desse país, poderão apreciar o encontro entre as duas potências asiáticas do beisebol profissional.

Muito duro será o caminho para conseguir restabelecer novamente a primazia de Cuba nessa actividade desportiva, onde o patriotismo, o orgulho nacional e nossa luta em favor do desporto sadio e educativo atingiu as mais altas cimeiras.

Muitas são as lições que devemos tirar do último Clássico.

Fidel Castro Ruz

Março 22 de 2009

13h54   

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*