Reflexões de Fidel »

O cúmulo do ridículo

Que susto! Quase morro ao ler as declarações da U.D.I (União Democrata Independente).

É uma verdadeira sorte que o Chile já não viva sob a palmatória de Augusto Pinochet. Lendo o capítulo 12 do livro de Max Marambio, “As armas de ontem”, relembrei aqueles dias sombrios quando o tirano ordenou o bombardeio à casa presidencial, em Tomás Moro.

Juro, que se eu tivesse dinheiro pagaria a edição massiva desse livro.

Talvez seu texto esteja na rede de Internet. Caso contrario, o lamentaria muitíssimo.

Como me divirto, observando a fúria do sector mais ranço da oligarquia! Alguns de seus líderes visitaram Cuba há muitos anos, não hesitaram em reunir-se comigo para demonstrar-me quanto eram sábios e capazes. Nem sequer a eles os tratai  com altivez.

Foi muito triste o último dia da vida de Allende.

Ao sair de casa rumo a La Moneda, após 7 horas da manhã, acordou-nos a Tencha, sua esposa, que descansava no segundo andar junto a suas filhas Isabel e Beatriz, “La Tati”. Pensava que a residência em Tomás Moro era o local mais seguro para elas. Não podia sequer imaginar que seria bombardeada pelos golpistas.

“Pela primeira vez na história da instituição e do país ?conta Max Marambio, chefe dos selectos e bem treinados jovens revolucionários que formaram o G.A.P – Grupo de Apoio ao Presidente? aviões de combate chilenos entraram em acção para atacar ao presidente eleito pelo povo … e os Hawker Hunter, o fariam com a perícia adquirida durante os treinos sem o receio que provoca o risco verdadeiro de uma resposta desde o objectivo. Então, a imagem de La Moneda, devastada e fumeante percorre o mundo”.

“…Beatriz, La Tati, que em seu avultado ventre levava o neto que Allende jamais conheceria”, escreveu.

” Ás onze em ponto se bombardeia! Ver-se-á  o que acontecerá. Uma vez bombardeada, a assaltamos com o Buin e a Escola de Infantaria`. Então, decidiu que os tanques começariam o ataque. Dispararam mais de cinquenta tiros de canhão contra a fachada do edifício”·

“… Pinochet, que mantinha a sua oferta de afastar a Allende do país. Ainda que desnudando sua anima, acrescentou um sórdido comentário: ´logo o avião cairá, velho`. Seu interlocutor, o Almirante Carvajal, desfrutava dos comentários de Pinochet”.

Ficarei todo o dia 15, acompanhando as noticias sobre o Referendo Popular que deverá dizer sim ou não ao direito do líder Bolivariano, Hugo Chávez Frías, a ser candidato novamente à presidência da irmã República Bolivariana da Venezuela.

Da minha parte, não resta dúvida nenhuma de sua vitória.


Fidel Castro Ruz

14 de Fevereiro de 2009.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*