Reflexões de Fidel »

O FURACÃO

Na última reflexão, assinada na passada terça-feira 26 de Agosto em horas da tarde, quando o furacão Gustav surgiu inesperadamente, coincidindo com a chegada da nossa delegação olímpica, e ameaçava o nosso território, escrevi: Sorte que temos uma Revolução! Está garantido que ninguém permanecerá esquecido… Uma forte, enérgica e previdente Defesa Civil protege a nossa população…  A frequência e intensidade crescentes destes fenómenos naturais demonstra que o clima muda por causa do homem. Os tempos exigem cada vez mais consagração, mais firmeza e mais consciência. Não interessa que os oportunistas e vende pátrias também se beneficiem sem contribuir nada para a segurança e o bem-estar do nosso povo.”

Conheço os descomunais esforços que a Revolução deve fazer quando passam os furacões pelo território nacional. Posso acrescentar que Cuba tem cientistas agudos e insistentes como José Rubiera.

Centenas de milhões de horas de trabalho são perdidas em breve tempo, quando rajadas de vento batem directamente em centros económicos e sociais de extensas áreas do território nacional. Intermináveis chuvas acompanham estes fenómenos naturais. Os rios são transbordados, varrem quanto encontrarem ao seu passo e inundam consideráveis zonas. Milhares de instalações produtoras de hortaliças, leite, ovos, carne de ave e de porco, sistemas sofisticados de rega, são seriamente estragados, milhares de milhares de hectares de cana-de-açúcar, grãos protéicos, cereais e árvores de frutas próximos à colheita são derrubados; escolas, policlínicas, centros de recreação e cultura, moradias, tectos, fábricas, armazéns, estradas e pontes são golpeados pelos ventos e as águas. Nesta ocasião, os ventos e as chuvas afectaram em maior ou menor medida a todas as províncias, ao transitar o furacão pelos mares próximos do sul do país e atravessá-lo através da província mais ocidental com um rádio de 30 quilómetros no olho e mais de 450 no diâmetro dos fortes ventos.
Nada é tão desolador como a destruição e o prejuízo que são  observados após um furacão. Centenas de milhares de compatriotas são mobilizados e trabalham intensamente na fase ciclónica e de recuperação. As reservas são reduzidas ou esgotadas. Hoje mais do que nunca o golpe aos fornecimentos de alimentos é custoso e sensível. Porém, este é o nosso país, a parte que nos coube do nosso planeta, e é preciso desenvolvê-lo e defendê-lo.
A tarefa que temos daqui em diante exige tempo e experiência. Não é construída em apenas um minuto a verdadeira Cuba e o seu nobre povo, que já foi capaz de compartilhar com outros os seus conhecimentos e inclusive parte dos seus recursos e do seu sangue. Por isso tem sido adversário invencível face ao poderoso império, que tem ensaiado todas as suas armas contra a nossa pátria.
Contudo, pouco se fala ao mundo sobre os seus méritos e a sua extraordinária luta.
Há dois dias, na sexta-feira 29, de onze notícias internacionais referidas a Cuba, nenhuma falava sobre o furacão que avançava sobre a nossa ilha, nem do febril esforço da nossa Defesa Civil, com o apoio generoso de milhões de famílias cubanas sob a direcção de uma corajosa vanguarda política.
Uma das notícias, subscritas pela DPA, agência alemã de notícias, comunicava:
“Popular actor cubano chega a Miami: “Fui embora porque fiquei cansado”.
Imediatamente acrescenta: “O popular actor de telenovelas Yamil Jaled chegou a Miami proveniente de Cuba para se reunir com a sua esposa cubano-americana, informou hoje um diário local.
“Jaled trabalhou em conhecidas séries dramatizadas na televisão, no teatro e no cinema, neste último em superproduções cinematográficas na França e na Itália.”
“Graduado em actuação no Instituto Superior de Arte (ISA) em 1997, Jaled começou a sua actuação profissional no Teatro Rita Montaner, mas um ano depois começou a trabalhar na televisão.”
Depois a notícia revela que ele tem 31 anos, refere as grandes qualidades artísticas e o seu passo triunfal pela televisão. Desta maneira, repete  o que um órgão de imprensa ianque, destinado à guerra mediática e às campanhas contra Cuba menciona sobre o actor. Que patriota, que democrata, que brilhante exemplo aquele que nos apresentam como protótipo!, poderíamos acrescentar os cubanos. Assim é divulgado no mundo um gajo muito menos conhecido e importante que o furacão Gustav.
Querem fazer dele uma vaca sagrada.  As convicções mais profundas, a prova do tempo e os vaivéns da vida, não são alcançados num dia. É preciso vencer antes muitas tendências que levamos dentro.
Não odeio outros seres humanos, porém odeio a vaidade, a egolatria, o egoísmo, o pedantismo, a auto-suficiência, a ausência de ética e outras inclinações com as que os seres humanos vimos ao mundo e apenas a educação e o exemplo dos destacados na sua batalha por serem melhores, triunfa e influi sobre nós. Precisa-se de um mínimo de filosofia sobre a necessidade da modéstia.
Há vacas sagradas que pretendem equiparar os nossos Cinco Heróis, brutalmente separados da sua pátria e dos seus familiares mais próximos e íntimos, com os mercenários justamente sancionados por traidores e nunca submetidos a ultrajes pessoais e inumanos.
O que expresso nesta reflexão reafirma a convicção que desejo transmitir aos meus compatriotas, de que só sobrevivem as idéias justas defendidas com valor, dignidade e firmeza.

Fidel Castro Ruz

Agosto 31 de 2008

7h:32   
 

 

 

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*