Reflexões de Fidel »

QUARTA REFLEXÃO SOBRE OS PAN-AMERICANOS A REPUGNANTE COMPRA-VENDA DE ATLETAS

Qual tem sido o pior problema dos países pobres do ponto de vista tecnológico e econômico? O roubo de cérebros.

Qual, do ponto de vista patriótico e educativo? O roubo de talentos.

Órgãos locais de imprensa de países pobres e pessoas sadias interessadas no esporte começam a se perguntar porquê lhes roubam seus talentos esportivos, depois dos sacrifícios e das despesas que investem em formá-los.

Cuba, cujos resultados e esforços no esporte amador ninguém pode negar, sofre mais do que qualquer outro país as mordeduras das piranhas. Veja-se como se comportam os fixadores de tarifas perante a denúncia cubana. Quando falei da máfia alemã e dos milhões de dólares de que dispunha para subornar atletas cubanos, logo se sentiram aludidos e declararam: “não, não, nós não somos nenhuma máfia”.

Contaram em pormenores como funciona o vergonhoso negócio da compra-venda de pugilistas. Suas palavras, entre aspas, foram as seguintes na ordem em que chegaram às minhas mãos:

“Hamburgo, 24 de Julho (DPA) ? Os responsáveis de Arena Box Promotions, uma das empresas alemãs que captam pugilistas amadores do estrangeiro para torná-los profissionais, se defenderam hoje perante as críticas do presidente cubano, Fidel Castro.”

“Müller-Michaelis soube pela DPA das acusações de Castro, quem confirmou num artigo que difunde hoje a imprensa cubana as deserções de Guillermo Rigondeaux, bi-campeão mundial e olímpico, e de Erislandy Lara, campeão mundial, que faziam parte da delegação do seu país nos Pan-americanos do Rio de Janeiro”.

“‘Na Alemanha existe uma máfia que se dedica a selecionar, comprar e promover pugilistas cubanos nas competições esportivas internacionais,’ afirmou o líder cubano. ‘Usa métodos psicológicos refinados e muitos milhões de dólares,’ acrescentou”.

“Hamburgo, 25 de Julho (DPA) ? Os dois boxistas cubanos que desertaram durante os atuais Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro, Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara, utilizaram mediadores para entrarem em contacto com a promotora alemã Arena Box Promotions, segundo declarou a um jornal berlinense o turco-alemão Ahmet Öner, chefe da promotora.

“Em suas declarações sucintas ao jornal, Öner diz que foram os lutadores de boxe, que se afastaram da delegação de seu país, os que iniciaram a busca de contactos com sua empresa e não ao contrário, como se insinuou nalguns meios cubanos.

“Por causa disso, Öner, que não se encontra na Alemanha, mas de férias nalgum lugar do sul da Europa, disse que decidiu enviar emissários à América do Sul para tentar entrar em contacto com Rigondeaux e Lara, sem dar mais detalhes.

“As declarações de Öner foram confirmadas hoje em Hamburgo pelo porta-voz de Arena, Malthe Müller-Michaelis, quem reiterou que a iniciativa partiu dos ‘desertores’ cubanos, segundo disse à agência DPA.”

“Trata-se neste caso de Odlanier Solís, Yuriolquis Gamboa e Yan Barthelemy, quem nestes momentos não se encontram na Alemanha, mas de férias fora do país.”

“Por outra parte, Peter Danckert, presidente da Comissão de Esportes do Bundestag (Câmara Baixa) do Parlamento alemão, declinou fazer declarações a respeito dos boxeadores cubanos fugados.

“Isso que o façam os peritos na matéria,’ disse perante um requerimento da agência DPA em Berlim.”

“Hamburgo, 26 de Julho (DPA) ? Os dois pugilistas cubanos que ‘desertaram’ dos Jogos Pan-americanos 2007 no Rio, Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara, se encontram na Turquia, onde esperam a concessão da licença de estada na Alemanha, segundo afirma hoje o diário ‘Morgenpost’.

“Temos contratado Rigondeaux e Lara,’ confirmou ao jornal o chefe da promotora hamburguesa ARENA, o turco Ahmet Öner.

“Fidel está naturalmente zangado, mas não tem motivos para ficar admirado. Seus boxistas não querem continuar a ser amadores toda a vida, senão ganhar dinheiro,’ cita o jornal a Öner.

“Fidel deseja ocultar ao mundo seus formidáveis lutadores. Eu os mostro ao mundo,’ sublinhou o jovem promotor de 34 anos.

“Rigondeaux, 26 anos, possui uma classe extraordinária. O duplo campeão olímpico do peso-galo ganhou 142 combates consecutivos entre 1999 e 2003″.

“Apesar do aborrecimento de Castro contra a ‘máfia alemã’, Öner disse ao ‘Morgenpost’ que deseja fazer negócios com o presidente cubano. ‘Vou-lhe propor a organização em breve duma velada de boxe em Havana”.

“Hamburgo, 26 de Julho (DPA) ? Os lutadores de boxe cubanos Guillermo Rigondeaux, duplo campeão olímpico do peso-galo, e Erislandy Lara, campeão do mundo do peso welter, assinaram contratos com a promotora alemã Arena Box Promotions após ‘desertar’ durante os Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro.

“As especulações chegaram a seu fim. Rigondeaux e Lara têm assinado contratos por cinco anos com Arena,’ diz hoje um comunicado difundido pelo grupo hamburguês do empresário turco-alemão, Ahmet Öner.

“Os dois pugilistas viajarão proximamente para Alemanha. Öner declinou revelar o lugar onde Rigondeaux e Lara se encontravam nestes momentos, ‘por motivos compreensíveis’, segundo diz o comunicado de Arena, mas adiantou que se estavam fazendo os trâmites correspondentes para conseguir o visto e a residência na Alemanha”.

“Hamburgo, 26 de Julho (AP) ? Os dois pugilistas cubanos que desertaram durante os Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro assinaram na quinta-feira contratos por cinco anos com uma cadeia de televisão por cabo.

“O peso-galo Guillermo Rigondeaux, bi-campeão olímpico e mundial de boxe amador, e o peso welter Erislandy Lara, campeão mundial amador, assinaram com a empresa Arena TV.

“Arena TV é a companhia com quem tinham assinado outros três pugilistas cubanos de primeira linha que desertaram em Dezembro.

“‘Agora as melhores promessas do boxe profissional mundial lutam para Arena,’ declarou o diretor da empresa, Ahmet Öner.”

“Rigondeaux e Lara não se apresentaram a suas lutas no domingo no Rio e desde então não se têm notícias deles.

“Desde os Jogos Olímpicos de 2004, o boxe cubano perdeu várias de suas figuras principais, que agora lutam como profissionais nos Estados Unidos da América e na Europa.”

“Arena quer ganhar presença no mundo das transmissões esportivas e, estima que os cubanos representam um grande investimento.”

“Rio de Janeiro, 26 de Julho (EFE). – O empresário alemão Ahmet Öner, promotor de quatro lutadores cubanos de boxe, já refugiados na Alemanha, admitiu em declarações a um jornal brasileiro que organizou a fuga dos dois lutadores cubanos de boxe que desertaram durante os Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro.

“‘Fui eu quem o organizou tudo,’ afirmou o proprietário da empresa Arena Box Promotions em declarações publicadas hoje no jornal Folha de São Paulo e nas que admitiu ter pagado por volta de meio milhão de dólares pela operação.

“Rigondeaux, 26 anos, e bicampeão olímpico e mundial do peso-galo, era uma das principais figuras de Cuba nos Pan-americanos do Rio de Janeiro e considerado como medalha segura para seu país.

“A fuga dos dois pugilistas foi descoberta quando se ausentaram nesta semana da seção de pesagem à que tinham que submeter-se para disputarem os combates pelas suas respectivas categorias, nas que eram favoritos à medalha de ouro.

“‘Um grupo aqui na Alemanha com contactos na América do Sul me trouxe em Dezembro a Barthelemy, Gamboa e Solís. Paguei um bom dinheiro. Eles acabaram me trazendo a Rigondeaux e Lara,’ afirmou o representante dos pugilistas.

“‘Tomei conta muito bem de Solís, Gamboa e Barthelemy, que são amigos de Rigondeaux e de Lara. Acho que isso ajudou, ‘ acrescentou o empresário ao se referir a que a amizade entre os pugilistas influiu para que os outros dois campeões olímpicos também optassem por desertar para começarem as carreiras como profissionais na Alemanha.”

“O promotor alemão disse que a operação de Dezembro passado para organizar a deserção dos três pugilistas e sua deslocação até Alemanha lhe custou 1,5 milhões de dólares aproximadamente.”

“‘Os cinco serão campeões mundiais (de boxe profissional). Hoje sou o promotor europeu mais jovem no boxe. Com eles serei o maior,’ asseverou.

“Hamburgo, 26 de Julho (DPA) – [...] A fuga já estava prevista para há uns meses, por ocasião de um torneio em Ancara. Mas nessa oportunidade os cubanos assistiram com um time B, sem Rigondeaux, que era o que mais lhe interessava a Öner.

“Posteriormente, quando os cubanos decidiram não participar no torneio de Halle em Alemanha, onde se disputa a tradicional ‘Chemie Pokal’, Öner começou a suspeitar que os cubanos tivessem recebido informação de que algum pugilista pensava em desertar. A cidade de Halle e a ‘Chemie Pokal’ foram o cenário, há mais de uma década, da deserção do peso pesado cubano Juan Carlos Gómez.” (Um quarto boxista comprado com antecedência).

“‘Por isso nos concentramos no Rio e nos Pan-americanos, onde conseguimos finalmente nosso objetivo, ‘ disse.”

“‘Agora estamos em questões burocráticas com os rapazes, e quando arranjemos todos os documentos viajaremos para Alemanha, onde lhes vamos dar as boas-vindas no contexto adequado,’ indicou”. Os dois cubanos assinarão um contrato por cinco anos.

“‘Para os outros cubanos tudo isto durou três meses. Acho que com estes dois rapazes demoraremos a metade; isto é, um mês e meio.’”

Vejam a maneira como se gabam da malfeitoria cometida contra o país. Conhecia-se perfeitamente que no boxe Cuba obteria quase todas as medalhas de ouro. Tinha que ser golpeada, e não apenas compraram dois dos atletas que tinham ouro garantido, mas que golpearam a excelente moral dos outros atletas que seguiram defendendo com valor suas medalhas de ouro. Até nos juízes influiu o golpe baixo.

Com todo o dinheiro do mundo jamais teriam comprado homens como Stevenson, Savón ou o falecido Roberto Balado, que tão formosa tradição legaram à glória do boxe cubano.

Apesar de tudo, já temos 44 medalhas de ouro.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*