Reflexões de Fidel »

AS GUERRAS ILEGALES DO IMPÉRIO

AS GUERRAS ILEGALES DO IMPÉRIO

Quando começou a guerra dos Estados Unidos e seus aliados da NATO em Kosovo, Cuba definiu imediatamente sua posição na primeira página do jornal Granma, em 26 de março de 1999. E o fez através de uma Declaração de seu Ministério das Relações Exteriores intitulada “Cuba convida a pôr fim à injustificável agressão da NATO contra a Iugoslávia”.

Reflexões de Fidel »

O SILÊNCIO DE AZNAR

O SILÊNCIO DE AZNAR

Numa mesa redonda transmitida pela televisão cubana realizada no dia 25
de Abril de 2003, revelei que o então presidente do governo espanhol
José María Aznar, aliado da superpotência em genocídios e massacres,
reunira-se com o presidente William Clinton a 13 de Abril de 1999, num
momento incerto da guerra contra a Iugoslávia, e lhe expressou
textualmente:

Reflexões de Fidel »

MAIS UM ARGUMENTO PARA A ONU

MAIS UM ARGUMENTO PARA A ONU

Enquanto trabalho com o já famoso livro de Greenspan, leio um artigo
publicado por El País, jornal espanhol com mais de 500 mil exemplares
segundo se afirma, que desejo transmitir aos leitores. Está assinado
por Ernesto Ekaizer, e diz textualmente:

Reflexões de Fidel »

MENTIRAS DELIBERADAS, MORTES ESTRANHAS E AGRESSÃO À ECONOMIA MUNDIAL

MENTIRAS DELIBERADAS, MORTES ESTRANHAS E AGRESSÃO À ECONOMIA MUNDIAL

Numa reflexão falei de barras de ouro depositadas nos sótãos das Torres
Gêmeas. Nesta ocasião o tema é ainda mais complexo e difícil de crer.
Há quase quatro décadas cientistas residentes nos Estados Unidos
descobriram a Internet, da mesma maneira que Albert Einstein, nascido
na Alemanha, descobriu em seu tempo a fórmula para medir a energia
atômica.

Reflexões de Fidel »

O IMPÉRIO E A MENTIRA

O IMPÉRIO E A MENTIRA

Reagan foi o criador da Fundação Nacional Cubano-Americana, cujo
sinistro papel no bloqueio e no terrorismo contra Cuba se conheceria
anos depois quando o governo dos Estados Unidos revelou documentos
secretos, embora ainda cheios de desavergonhados riscos. Se os
tivéssemos conhecido antes, nossa conduta não mudaria.

Reflexões de Fidel »

W E A APEC

W E A APEC

As reuniões importantes sucedem-se a um ritmo tal e é tanta a
velocidade com que voa e fala Bush, que é quase impossível determinar a
quantidade. Durante a viagem a Sydney, fez escala de várias horas no
Iraque. Não posso afirmar se isto aconteceu há dois ou três dias,
porque quando em Sydney é quinta-feira, e o sol radia quase na vertical
sobre a Terra, em Havana ainda é quarta-feira com o ar fresco da noite.
O planeta Terra globalizado muda e transforma conceitos. Só uma
realidade permanece inalterável: a rede de bases militares, aéreas,
navais, terrestres e especiais do império, cada vez mais poderoso e ao
mesmo tempo débil.

Reflexões de Fidel »

OS SUPERREVOLUCIONÁRIOS

OS SUPERREVOLUCIONÁRIOS

Leio cuidadosamente todos os dias as opiniões sobre Cuba de agências
tradicionais de imprensa, incluídas as dos povos que fizeram parte da
URSS, as da República Popular China e outras. Chegam-me notícias de
órgãos de imprensa escrita da América Latina, Espanha e do resto da
Europa.

Reflexões de Fidel »

A submissão à política imperial

A submissão à política imperial

Dos Presidentes dos Estados Unidos e dos aspirantes a esse cargo,
apenas conheci um que por motivos ético-religiosos não foi cúmplice do
brutal terrorismo contra Cuba: James Carter. Isto supõe, logicamente,
outro Presidente que proibiu o emprego de funcionários dos Estados
Unidos para assassinar dirigentes cubanos. Trata-se de Gerald Ford,
quem substituiu Nixon após o escândalo de Watergate. Devido a sua
chegada irregular ao cargo poderia ser qualificado como Presidente
simbólico.

Reflexões de Fidel »

CHIBÁS, AO SE COMPLETAREM 100 ANOS DE SEU NATALÍCIO

CHIBÁS, AO SE COMPLETAREM 100 ANOS DE SEU NATALÍCIO

Então aprendi as regras rigorosas às quais deveria ajustar-se a conspiração que nos levou ao ataque do Moncada.

Reflexões de Fidel »

Derrota moral sem precedentes do império

Derrota moral sem precedentes do império

O primeiro ao fazer referência a este tema é recordar as palavras de
Roberto González, advogado, filho de família cubana refugiada nos
Estados Unidos durante a tirania que voltou quando triunfou a
Revolução. Tanto ele como René nasceram nesse país durante a estada da
sua família nesse país. Todo o tempo tem batalhado em favor da
liberdade de seu irmão René, que sofre cruel e injusta prisão junto com
mais quatro heróis defensores de seu povo na luta contra o terrorismo.