Notícias »

Díaz-Canel lidera segunda visita do governo à província de Ciego de Ávila

canel Ciego de AvilaO Conselho de Ministros, liderado pelo presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, chegou na quinta-feira, 28 de novembro, à província de Ciego de Ávila pela segunda vez em pouco mais de um ano. Após a visita de outubro de 2018, da qual foram registradas 30 indicações, 22 delas já foram cumpridas e oito em processo de solução, o mais alto órgão do governo cubano retornou ao território para trocar experiências e desbloquear o necessário.

A agenda do presidente, paralela à do vice-presidente Salvador Valdés Mesa, os vice-presidentes do Conselho de Ministros e vários ministros, começou desta vez em Morón, na empresa pecuária genética de Turiguanó, «um lugar que sempre dá prazer em vir», disse Diaz-Canel ao final de uma troca com Venancio Rodríguez Domínguez, seu diretor.

Com cerca de 6.200 hectares de terra dedicados à pecuária e 5.341 cabeças de gado da raça Santa Getrudis, é definido como o maior rebanho do gênero em Cuba e o segundo na América Latina. «O objetivo da empresa», disse o diretor, «é o aprimoramento da raça, a obtenção de garanhões e a produção de carne bovina, principalmente para o turismo, atendendo à alta prioridade da chamada indústria sem chaminés para a vitalidade da economia cubana».

No diálogo constataram-se os principais indicadores econômicos da empresa que mantêm bons números, por exemplo, no total de vendas, na substituição de importações, na renda e na produtividade. O presidente indagou sobre o uso de plantas proteaginosas na alimentação animal, um programa promovido pelo Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz, considerado por Rodríguez Domínguez como ciência constituida e uma força para a empresa.

O chefe de Estado também se interessou pelo projeto de associação econômica internacional em que a entidade trabalha atualmente, para o desenvolvimento da pecuária, engorda de touros, comercialização de carne bovina, cortes especiais, entre outros, para substituir importações e também exportar para diferentes mercados.

«Essa empresa», considerou o presidente da República, «é semelhante ao que queremos alcançar com o gado e é por isso que temos que socializar a experiência com os outros territórios», afirmou, pouco depois de reeber informações sobre o uso da energia renovável para bombear água; cadeias produtivas com outras indústrias; o total comprometimento com a inovação tecnológica; os vínculos com a universidade e outras entidades científicas; e a informatização de todos os seus processos.

Na ânsia de conhecer o interior das linhas de produção e conversar com seus protagonistas, o presidente visitou o Complexo de Carnes, onde com uma moderna tecnologia italiana, instalada há cerca de dois anos, o trabalho dos operadores é humanizado e simplificado, ao tempo que é usado cada vez melhor cada subproduto.

A visita do presidente continuou pela Fábrica de Aquecedores Rensol Solar, entidade que em seu plano de 2019 havia comprometido 8.100 aparelhos aquecedores, mas devido a dificuldades com a chegada da matéria-prima, finalmente chegará a 7.100. Seus gerentes explicaram que, por outro lado, o trabalho se manteve, com a fabricação de 10.358 tanques de plástico destinados ao Programa da Habitação.

O presidente foi franco ao abordar a questão dos investimentos, após o descumprimento de um desses investimentos que precisava ser feito para melhorar a produção. «É preciso ser exigente, ter inquietação revolucionária diante dos problemas, não permanecer de braços cruzados ou se acomodar, mesmo diante do ambiente adverso que gera o reforçamento do bloqueio».

Ao percorrer as oficinas, o chefe de Estado colheu detalhes sobre como os aquecedores solares são fabricados e também sobre uma nova proposta que seus trabalhadores têm, referindo-se à alteração da matriz energética do forno onde são feitos os tanques de plástico: do diesel para o gás natural. «Apresentem a ideia», pediu Díaz-Canel, «precisamente é isso que queremos, que os trabalhadores na discussão do Plano de Economia 2020 proponham soluções para buscar mais eficiência, mas no nível de cada fábrica, de cada oficina», disse.

A agenda do presidente incluiu uma visita à usina de açúcar Ciro Redondo, onde um processo de investimento forte e caro é implantado para aumentar sua capacidade industrial e responder às necessidades da moderna usina bioelétrica construída perto dali. Como o Granma Internacional informou há alguns meses, são cerca de trinta investimentos, incluindo a montagem de uma esteira, um guindaste, o decantador, a balança ferroviária e o tanque de mel.

Ao pé da obra, cujo investimento é de cerca de 70 milhões de dólares e apresenta atrasos em sua concretização, Díaz-Canel alertou que essa usina deveria se tornar um modelo da indústria açucareira que queremos alcançar, com a implementação de novas tecnologias, a automação de todos os seus processos e o vínculo com as energias renováveis.

Isso foi discutido mais tarde, quando o presidente chegou à usina bioelétrica de Ciro Redondo, um local impressionante que está entre as maiores obras em andamento em Cuba, vinculada ao uso de fontes de energia renováveis. Ao serem ligados seus motores, deve fornecer 60 megawatts / hora ao Sistema Eletroenergético Nacional, o que equivale, como disseram no terreno ao presidente da República, a 50% da eletricidade exigida pela província de Ciego de Ávila.

A planta desenvolvida pela empresa mista Biopower S.A, cujos acionistas são a British Havana Energy e a cubana Zerus, trabalhará com o bagaço da cana entregue pela usina próxima, além de jurema e outras plantas energéticas. Sentado no painel de controle a partir do qual todos os processos bioelétricos serão direcionados e visualizados, Díaz-Canel refletiu sobre a necessidade de estudantes que estejam em carreiras afins fazerem estágios frequentes lá para ajudar a treinar novos técnicos e engenheiros.

Como quase sempre acontece nestas visitas, o presidente privilegiou em sua agenda a visita a um centro de produção local de materiais da construção, porque é uma prioridade do governo cubano a questão da habitação, das mais complicadas da Ilha. Desta vez, escolheu um localizado no município de Ciro Redondo e que tem o objetivo de realizar diariamente todos os elementos estruturais de uma casa. No total, 53 linhas saem das mãos de seus operadores.

Acompanhado pelo Comandante da Revolução, Ramiro Valdés Menéndez, vice-presidente do Conselho de Ministros e principal promotor do Programa de Habitação, Díaz-Canel percorreu todo o complexo, também ao lado de Yoannia Trancho Herrera, uma garota de 36 anos que chegou há sete anos para trabalhar no armazém e hoje dirige tudo o de bom que acontece lá. «Essas são as histórias de nossa vida», disse o presidente a este repórter, pouco antes de falar novamente sobre a qualidade da construção e a possibilidade real e próxima de fazer coisas fortes, duradouras e também bonitas. E ele o verificou aqui.

A PROMESSA DE SEMPRE VOLTAR

Como prometera em outubro do ano passado, por ocasião da visita do governo a esta província, o presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, visitou a empresa Ciegoplast, onde iniciou a produção em Cuba de tubos de polietileno. alta densidade (tpad), há duas décadas.

Lá, conheceram dos sucessos produtivos, entre os quais o mais recente: tendo concluído em meados deste mês 5.000 quilômetros de condutos para importantes obras hidráulicas no país.

Sergio Barrios García, diretor da entidade, explicou ao presidente as particularidades do processo produtivo, a disponibilidade de matéria-prima e os efeitos do bloqueio dos EUA nas diferentes linhas, ratificando o compromisso de superar as dificuldades de continuar fabricando para contribuir para a diminuição das importações desses elementos.

Díaz-Canel esteve interessado no salário dos trabalhadores, na estabilidade da força de trabalho e na possibilidade de iniciar exportações, algo que está no pensmento de todos e que pode ser alcançado em um futuro não muito distante.

Outro dos locais apreciados durante o dia foi o Centro de Bioplantas, pioneiro nas pesquisas, intercâmbio científico e desenvolvimento de diferentes programas. Lá, o presidente teve um animado intercâmbio com os trabalhadores, a quem pediu um maior vínculo com as empresas, pois os resultados serão benéficos para ambas as organizações, o país e os próprios pesquisadores.

Ao se interessar por pesquisas relacionadas ao cultivo do abacaxi e à exportação de clones desenvolvidos pelo centro, soube que, juntamente com a empresa Agroindustrial Ceballos, existem projetos em andamento para o desenvolvimento dessa fruta, mas ainda distantes da fase exportação de híbridos produzidos unicamente nesse território.

Na tarde desta quinta-feira, o presidente cubano intercambiou-se com estudantes da Universidade Máximo Gómez Báez e avaliou o impacto e o alcance da casa de estudos de alto nível sobre produção, serviços e utilidade de resultados muito positivos. a inserção laboral de seus egressos, que principalmente da prática do trabalho estão ligados aos seus futuros locais de trabalho.

Como parte da segunda visita do governo à província, Luis Tapia Fonseca, vice-presidente do Conselho de Ministros, pediu que se aproveitassem as capacidades na produção de bebidas e refrigerantes para consumo nacional, turismo e exportação, segundo disse o jornal Invasor.

Por outro lado, a vice-presidenta do Conselho de Ministros da República de Cuba, Inés María Chapman, expressou na conta oficial da rede social do Twitter que, durante a segunda visita do governo a Ciego de Ávila, visitou a nova fonte de fornecimento de água em Florencia, onde são realizadas ações para melhorar o ciclo de fornecimento a seus habitantes, e está sendo feito um trabalho para revitalizar a comunidade.

Ao lado da vice-ministra esteve Antonio Rodríguez Rodríguez, presidente do Instituto Nacional dos Recursos Hidráulicos, que especificou que em Florencia é construído um poço e 19 pontos de fácil acesso para melhorar o suprimento de água, uma das principais preocupações da população, enquanto no Conselho Popular de Tamarindo, pertencente a esse município, estão sendo realizados trabalhos sobre a colocação de 1.500 ml de condutores e redes e 77 novas tubagens para beneficiar cerca de 5.000 pessoas.

José Luis Tapia Fonseca, vice-presidente do Conselho de Ministros, chegou ao Instituto Politécnico José Antonio Echeverría, “El Teresiano”, e trocou ideias com estudantes e professores.

Neste primeiro dia da segunda visita do governo a Ciego de Ávila, a verificação do programa habitacional também é essencial, é uma prioridade da agenda do governo de Cuba, e é por isso que em cada território são visitados os centros de produção local de materiais da construção.

Como parte da segunda visita do governo a Ciego de Ávila, Jorge Luis Perdomo, ministro das Comunicações da República de Cuba, informou no Twitter que a expansão da infraestrutura de telefonia móvel 3G e 4G continua em Morón, e mais cobertura é projetada da televisão digital em HD. O ministro compartilhou com os trabalhadores de um centro transmissor de Ciego de Avila.

José Angel Portal Miranda, Ministro da Saúde Pública de Cuba, intercambiou com trabalhadores e 24 idosos da casa dos avôs do município de Chambas, em Ciego de Ávila, onde são prestados mais de 13 serviços de saúde abrangentes.

(Granma)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados. *

*