Notícias »

Assumo a responsabilidade com a convicção de que todos os revolucionários seremos fiéis ao legado exemplar de Fidel e Raúl

Presidente Diaz CanelDiscurso do companheiro Miguel Díaz-Canel Bermúdez, presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros da República de Cuba, na sessão constituinte do 9º período legislativo da Assembleia Nacional do Poder Popular, no Palácio das Convenções, em 19 Abril de 2018, «Ano 60º da Revolução».

(Tradução da versão estenográfica — Conselho de Estado)

Companheiro deputado, general-de-exército Raul Castro Ruz, primeiro secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba,

Compatriotas:

Eu venho falar em nome de todos os cubanos e cubanas que hoje começam um novo mandato, ao serviço de uma nação cuja história orgulha, não somente aqueles nascidos nesta terra, mas também milhões de filhos da América e do mundo que a amam e respeitam como sua própria Pátria.

Eu faço isso com toda a responsabilidade que um ato dessa natureza acarreta e com a consciência de que não estamos inaugurando mais um novo período legislativo.

José Martí disse que «as palavras pomposas são desnecessárias para falar de homens sublimes». E é isso que se trata agora, quando cumpro, com honra e emoção, o mandato do nosso povo, de dedicar o primeiro pensamento à geração histórica que, com exemplar consagração e humildade, nos acompanha nesta hora de urgente desafio, quando Cuba espera de nós que sejamos como eles, capazes de travar vitoriosamente todas as batalhas que nos aguardam.

A presença de Raúl Castro, José Ramón Machado, Ramiro Valdés, Guillermo García e outros heróis da República, como deputados do período legislativo que hoje começa, não se deve à homenagem, mais do que merecida, pelo trabalho realizado. O general-de-exército e primeiro secretário do Partido foi o candidato com maior número de votos nas eleições gerais, como também são dos mais votados o segundo secretário e os Comandantes da Revolução, também eles são Heróis do Trabalho da República de Cuba.

Eles enobrecem esta sala e nos dão a oportunidade, ao abraçá-los, de abraçar a história vivente.

Mais de meio século de calúnias e convites escusos à ruptura entre as gerações e ao desânimo em face das dificuldades, não foram capazes de derrubar as colunas do templo da nossa fé: a Revolução de Fidel e da Geração do Centenário de José Martí, vai transitando por seu 60º ano, com a dignidade de seus fundadores, intacta e maior, por ter sido capaz de fazer em cada momento o que cada momento exigia.

Com a constituição do 9º período legislativo da Assembleia Nacional do Poder Popular, culmina o processo eleitoral revolucionário em que o povo cubano foi o ator principal, nos últimos meses, reafirmando seu caráter eminentemente democrático e, ao mesmo tempo, ciente de sua elevada significação histórica.

O povo, exercendo seu direito civil, propôs, nomeou e elegeu seus representantes nas diferentes instâncias de governo, com base em sua identificação com eles, o mérito e a capacidade de representar comunidades, setores sociais, interesses coletivos, sem campanhas publicitárias pelo meio, sujeitas ao poder do dinheiro, sem politicagem ou fraude, corrupção ou demagogia.

A eleição tem sido o resultado de anseios coletivos, sem que nenhum dos eleitos tenha aspirado pessoalmente a isso. Os cidadãos distinguiram pessoas humildes, trabalhadoras e modestas como seus representantes genuínos.

É uma eleição que emerge do povo, que ao mesmo tempo controlará sua gestão, participando assim da tomada de decisões e da implementação das políticas aprovadas. E embora tenhamos feito isso muitas vezes, nos últimos 40 anos, podemos afirmar que este processo eleitoral que termina hoje se tornou uma vitória retumbante para a unidade do povo cubano e uma expressão de compromisso na defesa do trabalho revolucionário, em tempos de incerteza para a maioria dos habitantes do planeta, cujas vontades não contam quando se aplicam políticas que reduzem seus direitos e cerceiam suas conquistas.

A essa confiança que o povo nos dá com o voto só há uma maneira de corresponder: agir, criar e trabalhar incansavelmente, responder às suas demandas e necessidades, em um vínculo permanente e estreito com nossas pessoas humildes, generosas e nobres.

Se alguém quisesse ver Cuba em um grupo de cidadãos, devido a sua idade, composição racial, de gênero e ocupação, seria suficiente olhar e estudar a integração de nossa Assembleia Nacional e a representação de mulheres, negros e mestiços, jovens e idosos que ocupam cargos de decisão nos escalões mais altos do governo, quase na mesma proporção com que as estatísticas definem a Nação.

O mais importante, no entanto, não é o quanto nos parecemos com o país que somos. O que não podemos esquecer, nem por um segundo, a partir deste momento, é o compromisso que adquirimos com o povo e com o futuro. Todos os deputados, a liderança da Assembleia, os membros dos Conselhos de Estado e de Ministros, temos nossa primeira razão na conexão sistemática com a população, o que nos obriga a aprofundar na análise dos problemas que preocupam a sociedade como um todo e o cotidiano das cubanas e os cubanos, promovendo um amplo e sincero debate acerca deles e incentivando todas as formas possíveis de resolver ou mitigar seu impacto, com a participação dos envolvidos, seja porque estão afetados ou porque têm a possibilidade para resolvê-los.

Compatriotas:

Há dois anos, no encerramento do 7º Congresso do Partido, o general-de-exército nos disse que sua geração iria entregar; e cito: «…aos novos pinheiros, as bandeiras da Revolução e do Socialismo, sem o menor indício de tristeza ou pessimismo, com o orgulho do dever cumprido, convictos de que saberão continuar e ampliar a obra revolucionária pela qual entregaram as melhores energias e a própria vida várias gerações de compatriotas».

Isto significa, entre muitas razões, que o mandato dado pelo povo a esta Assembleia Legislativa é dar continuidade à Revolução Cubana, em um momento histórico crucial, que estará marcado por tudo aquilo que possamos avançar na atualização do modelo econômico e social, aperfeiçoando e fortalecendo nosso trabalho em todas as áreas da vida da Nação.

Assumo a responsabilidade para a qual fui eleito com a convicção de que todos os revolucionários cubanos, a partir da posição que ocuparmos, do trabalho que fizermos, de qualquer emprego ou trincheira da pátria socialista, seremos fiéis ao legado exemplar do Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz, líder histórico de nossa Revolução e também ao exemplo, a coragem e os ensinamentos do general-de-exército Raul Castro Ruz, atual líder do processo revolucionário (Aplausos).

Eu os nomeio e menciono José Martí, em seu retrato que ele fez sobre Carlos Manuel de Céspedes e Ignacio Agramonte: «Alguém estranho pode escrever esses nomes sem tremer, ou o pedante ou o ambicioso: o bom cubano, não». Fidel e Raúl, unidos pelo sangue, os ideais e a luta, mostram em seu mais alto grau o significado da palavra irmão, tão valorizada nas relações afetivas do ser nacional.

Mais ainda. Eles, juntamente com os homens e mulheres que trouxeram a Revolução até hoje, nos dão a chave de uma nova irmandade, forjada na resistência e nos combates compartilhados que nos transformaram em companheiras e companheiros. A unidade, tão necessária, enquanto a nação estava sendo forjada, é desde 1959 sua força mais valiosa e sagrada; que se tornou extraordinária e invulnerável no seio de nosso único Partido, que não nasceu a partir da fratura ou divisão de outros, mas da integração de todos aqueles que se propuseram construir um país melhor.

Para nós é totalmente claro que somente o Partido Comunista de Cuba, a força líder e superior da sociedade e do Estado, garante a unidade da nação cubana e é o digno herdeiro da confiança depositada pelo povo em seus líderes, tal como disse o companheiro Raúl Castro Ruz em seu discurso pelos 45 anos do Exército Ocidental, em 14 de junho de 2006.

É por isso que Raúl, que preparou, liderou e conduziu firmemente este processo de continuidade das gerações, sem apego a posições e responsabilidades, com alto senso de dever e momento histórico, com serenidade, maturidade, confiança, firmeza revolucionária, com altruísmo e modéstia, mantém-se por legitimidade e mérito próprio à frente da vanguarda política (Aplausos).

Ele ainda é nosso primeiro secretário, como a referência que é para qualquer comunista e revolucionário cubano. E porque Cuba precisa dele, contribuindo com ideias e propósitos para a causa revolucionária, orientando e alertando sobre qualquer erro ou deficiência, ensinando e sempre pronto a enfrentar o imperialismo em face de qualquer tentativa de agredir o país, como o primeiro, com seu fuzil na hora do combate.

Raúl, como nosso povo o chama carinhosamente, é o melhor discípulo de Fidel, mas ele também contribuiu com inúmeros valores para a ética revolucionária, o trabalho partidário e a perfeição do governo.

O trabalho realizado sob sua liderança, na última década, é colossal. Seu legado de resistência perante as ameaças e agressões e a busca da perfeição de nossa sociedade é fundamental. Assumiu a direção da Nação em meio de uma difícil conjuntura econômica e social. À dor humana ele antepôs o valor revolucionário e o senso de dever e conduziu o país sem descanso, consagrado, com certeza, com ímpeto, com dedicação e devoção. Em sua dimensão de homem de Estado, forjando o consenso popular, ele liderou, promoveu e estimulou mudanças estruturais e conceituais profundas e essenciais, como parte do processo de aperfeiçoamento e atualização do Modelo Econômico e Social Cubano.

Com paciência, inteligência e decisões firmes que, ao mesmo tempo, deveriam ser dadas em silêncio, ele conseguiu a libertação de nossos Cinco Heróis, cumprindo assim a promessa de Fidel de que eles retornariam (Aplausos). Ele marcou com seu estilo afável e próprio uma ampla e dinâmica atividade nas relações internacionais. Com firmeza, dignidade e coragem, dirigiu as conversações e negociações que tiveram como finalidade o restabelecimento das relações diplomáticas com os Estados Unidos. Chefiou a presidência pro tempore da Celac, defendendo a unidade dentro da diversidade e conseguindo que a comunidade latino-americana e caribenha declarasse a região como uma zona de paz.

Contribuiu decisivamente para o sucesso das conversações de paz na Colômbia e defendeu os países caribenhos, particularmente os sempre esquecidos Haiti e Porto Rico, em todos os cenários de diálogo regional e hemisférico.

Ainda estamos abalados por sua voz emocional e pelo discurso direto na Cúpula das Américas, no Panamá, exaltando a verdadeira história de nossa América e as razões da resistência espartana e da inabalável solidariedade do povo cubano com as causas justas na região e no mundo, contra todas as probabilidades, ameaças e agressões.

Esse é o Raúl que conhecemos, admiramos, respeitamos e amamos.

O Raúl, jovem estudante e rebelde que em janeiro de 1953 participou da primeira Marcha dos Archotes e que, em março desse mesmo ano, participou da Conferência Internacional sobre os Direitos da Juventude e da preparação do 4º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes; o combatente Raúl que, no meio do combate, assumiu o comando no Palácio da Justiça de Santiago de Cuba, como parte das ações do ataque ao quartel Moncada; cumpriu pena de prisão na Ilha de Pinos, preparou-se para a luta contra Batista, durante o exílio no México, desembarcou no iate Granma, reuniu-se com Fidel em Cinco Palmas, empreendeu a luta na Serra Maestra e por mérito e valor foi promovido a Comandante.

Raúl foi o chefe militar que, no II Front Oriental Frank País, em meio à guerra de libertação, desenvolveu experiências organizacionais e governamentais para o bem da população, que mais tarde se multiplicariam em todo o país, após o triunfo revolucionário.

Raúl liderou o Ministério das Forças Armadas por 48 anos, favoreceu a obtenção de resultados na preparação do país para a defesa e no desenvolvimento da doutrina da Guerra do Povo, tornando-o o órgão mais disciplinado e eficiente da administração do Estado, em cujo seio se desenvolveram experiências que depois serviram ao país.

Raúl é o líder político que promove constantemente o debate para a melhoria do trabalho partidário, ligado ao povo, com os ouvidos bem colados à terra, e que em tempos muito difíceis, nos convocou com integridade para provar que «Sim, nós podemos». E, então, o país e a Revolução puderam ser salvos.

Conheço as preocupações e expectativas que um momento como este logicamente causa em nossos compatriotas, mas temos a força, inteligência e sabedoria do povo, com a experiência e liderança do Partido, com as ideias de Fidel, com a presença de Raúl, acompanhado também pelo valioso líder e ser humano, trabalhador dedicado, companheiro José Ramón Machado Ventura (Aplausos) como segundo secretário da organização política dos comunistas cubanos e com a força, prestígio, lealdade e exemplaridade de um exército fundado por eles, que nunca deixará de ser o povo uniformizado.

Conhecendo o sentimento popular, afirmo a esta Assembleia, órgão supremo do poder estatal, que o companheiro general-de-exército Raul Castro Ruz, como primeiro secretário do Partido Comunista de Cuba, conduzirá as decisões mais importantes para o presente e o futuro da Nação (Aplausos prolongados).

Vivemos em uma situação mundial caracterizada por ameaças crescentes à paz e à segurança, guerras de intervenção, perigos para a sobrevivência da espécie humana e uma injusta e exclusiva ordem econômica internacional.

Neste contexto, reafirmo que a política externa cubana permanecerá inalterada e reitero que ninguém conseguirá enfraquecer a Revolução ou dobrar o povo cubano, porque Cuba não faz concessões contra sua soberania e independência, não negocia princípios, nem aceita condições. Nunca vamos ceder a pressões ou ameaças; as mudanças necessárias continuarão sendo decididas, de forma soberana, pelo povo cubano.

Estou ciente de que a tarefa que nos é confiada implica uma enorme responsabilidade perante o povo, por isso exijo o apoio de todos aqueles que ocupam responsabilidades de gestão em diferentes níveis e nas várias instituições da Revolução, mas acima de tudo, confio no apoio decisivo do povo cubano, sem o qual é impossível avançar com sucesso em nossa sociedade e em meio a ameaças e desafios, que nunca serão muito poucos para um país determinado em fazer uma Revolução.

Teremos que exercitar uma direção e uma liderança cada vez mais coletivas, como sempre em contato permanente com a população e facilitando a participação do povo em tarefas revolucionárias e na tomada de decisões, por meio de processos amplamente democráticos, que já são parte inseparável da política nacional.

Não venho prometer nada, como a Revolução nunca fez em todos esses anos. Eu venho para entregar o compromisso de trabalhar e exigir o cumprimento do programa que nos temos proposto como governo e como povo nas Diretrizes da Política do Partido e da Revolução, em curto, médio e longo prazos. Somente o trabalho intenso, desinteressado e eficiente de cada dia dará lugar a resultados e realizações concretas que constituirão novas vitórias da pátria e do socialismo, sem nunca abrir mão da disposição combativa de nossas invencíveis Forças Armadas Revolucionárias.

É assim que vamos enfrentar as ameaças do poderoso vizinho imperialista. Aqui não há espaço para uma transição que ignore ou destrua o legado de tantos anos de luta. Em Cuba, por decisão do povo, só é necessário dar continuidade à obra, unidas as gerações nascidas e educadas na Revolução e a geração fundadora, sem ceder diante das pressões, sem medo e sem retrocessos, defendendo nossas verdades e razões, sem abrir mão da soberania e a independência, aos programas de desenvolvimento e aos nossos sonhos.

Estaremos sempre dispostos a dialogar e cooperar com aqueles que, por sua vez, estejam dispostos, a partir do respeito e do tratamento igual uns aos outros.

Neste período legislativo não haverá espaço para aqueles que aspiram a uma restauração capitalista. Este Legislativo defenderá a Revolução e continuará o aperfeiçoamento do socialismo.

Para enfrentar as dificuldades que vivemos no nível interno é oportuno ressaltar que as prioridades estão definidas nos documentos aprovados no 7º Congresso do Partido, apoiados pelo Parlamento, depois de terem sido submetidos a um amplo processo de consulta popular. Entre elas se reconhece que a missão fundamental é o trabalho ideológico político, a luta pela paz, a unidade e a firmeza ideológica, intimamente ligada ao desenvolvimento da economia nacional, assegurando a participação consciente, ativa e comprometida da maioria da população no processo de atualização do modelo econômico e social. Cabe-nos simplesmente aplicá-lo e levá-lo adiante.

Atentos a essas prioridades, temos que melhorar sua implementação, corrigir erros, tirar experiências, evitar improvisações, superficialidades e atrasos e fracassos que irritem a população e espalham o pessimismo e falta de motivação, afastando-se de nossos objetivos no tempo.

Em todas as agências, organizações e instituições devemos agir em permanente defesa da unidade, disciplina, análise abrangente e a exigência de assegurar que as enormes potencialidades e possibilidades presentes em nossa sociedade sustentem e sejam expressas em resultados concretos de crescimento, desenvolvimento e prosperidade

Em nome das companheiras e companheiros eleitos na diretoria da Assembleia Nacional do Poder Popular e do Conselho de Estado, expressamos a eles, com sincera responsabilidade, que nunca defraudaremos a confiança depositada em nós.

E para aqueles que por ignorância ou má fé duvidam do compromisso das gerações que hoje assumem novas responsabilidades no Estado cubano, temos o dever de dizer claramente que a Revolução continua e continuará vivendo, com um sentido do momento histórico, mudando tudo aquilo que deve ser mudado; emancipando-nos nós mesmos e com nossos próprios esforços; desafiando poderosas forças dominantes dentro e fora do âmbito social e nacional; defendendo os valores em que acreditamos, ao preço de qualquer sacrifício; com modéstia, desinteresse, altruísmo, solidariedade e heroísmo, lutando com audácia, inteligência e realismo. Comprometidos em nunca mentir ou violar princípios éticos e com a profunda convicção que Fidel nos transmitiu, com seu conceito de Revolução, de que não há força no mundo capaz de esmagar a força da verdade e das ideias. Nem por um segundo nós esquecemos que a Revolução é unidade, independência, luta pelos nossos sonhos de justiça para Cuba e para o mundo, que é a base do nosso patriotismo, do nosso socialismo e do nosso internacionalismo.

A Revolução continua seu curso sem uma única ausência, porque até mesmo nossos mortos nos acompanharão nestes momentos cruciais, como Carlos Manuel de Céspedes, Ignácio Agramonte, Antonio Maceo, Máximo Gomez, José Martí e muitos outros, nas batalhas mais difíceis.

Aconchegar-nos na glória que nos precede, para vivermos em sua sombra seria traí-la. Os membros deste Parlamento nasceram, cresceram e aprenderam com os fundadores da Revolução que tudo o que o ser humano sonha é possível alcançar, mesmo quando a razão parece adversa. «Não são precisas asas para fazer um sonho. Chega com as mãos, é suficiente com o peito, é suficiente com as pernas e com o compromisso», disse um poeta.

Esta citação anterior serve apenas para lembrar que o esforço e o sacrifício dos revolucionários cubanos sempre estiveram acompanhados da poesia e da música, o canto, a arte e a crítica. Somos uma Revolução que se orgulha de ter sido contada e cantada, desde suas origens, com o talento e a originalidade dos seus artistas e criadores, autênticos intérpretes da sabedoria popular e também das insatisfações e esperanças da alma cubana.

E assim continuará sendo. Intelectuais, artistas, jornalistas, criadores, sempre nos acompanharão no esforço de que este arquipélago que a Revolução colocou no mapa político do mundo, continue sendo reconhecido também por sua maneira única de lutar cantando, dançando, rindo e vencendo. Somos Cuba, o que significa resistência, alegria, criatividade, solidariedade e vida.

Nenhum país resistiu durante tantos anos sem se render, diante do cerco econômico, comercial, militar, político e da mídia que Cuba enfrentou. Mas não há milagre nessa façanha. Há, em primeiro lugar, uma autêntica Revolução que emergiu das entranhas do povo, uma liderança consistente que nunca se colocou acima daquele povo, mas na frente, nas horas de maior perigo e risco e um exército nascido no meio da montanha, com e para os pobres da terra, cuja coragem e experiência transcendem as nossas fronteiras e se mostrou tão bravo na guerra como criativo durante a paz. Ou seja, necessidade, originalidade, imaginação, coragem ou criação heróica, segundo José Carlos Mariátegui.

«A criação é a palavra de passagem desta geração», escreveu José Martí e a geração de Fidel Castro a tornou sua, como cabe torná-la nossa aos que temos a responsabilidade de exaltar seu legado.

Lá fora existe um mundo que nos olha com mais perguntas do que certezas. Por muito tempo e da pior maneira, ele recebeu a mensagem errada de que a Revolução termina com seus guerrilheiros.

Na era das comunicações, nossos adversários foram hábeis na hora de mentir, distorcer e silenciar a obra revolucionária. E mesmo assim eles não foram capazes de destruí-la. Corresponde a nós sermos mais criativos na divulgação de nossas verdades. Em tempos em que as tribunas agora não são apenas as abertas e numerosas que outrora foram o porta-voz da Revolução, devemos aprender a usar mais e melhor as possibilidades da tecnologia para inundar de verdades os infinitos espaços do planeta Internet, onde hoje reina a mentira.

Vamos dizer com todas as letras: a Revolução Cubana ainda é verde-oliva, pronta para todos os combates. O primeiro combate, para superar nossa própria indisciplina, erros e imperfeições. E ao mesmo tempo avançar, «sem pressa, mas sem pausa», aviso sábio do companheiro Raul, em direção ao horizonte, para a prosperidade que devemos e que teremos que conquistar, mais cedo ou mais tarde, no meio das turbulências de um mundo minado pela incerteza, injustiça, violência dos poderosos e desprezo por pequenas nações e maiorias empobrecidas.

Companheiras e companheiros:

Um dia como hoje, simbólico, cheio de emoções e significados, em que compartilhamos compromissos e convicções, pensamos em Fidel, em suas ideias, em seu legado imponente, fecundo e essencial, como forma de alimentar esse sentimento genuíno de perpetuar sempre a sua presença entre nós.

Que cada fibra de nossa estirpe revolucionária vibre quando proclamarmos: ‘Eu sou Fidel’!

E juremos defender até o último alento: «esta revolução socialista e democrática dos humildes, pelos humildes e para os humildes», que a geração histórica nos conquistou na areia da Praia Girón, há 57 anos, e nos entrega invencível agora, confiantes de que saberemos honrá-la, levando-a tão longe e colocando-a tão alta como eles fizeram, fazem e ainda farão. (Aplausos).

É essencial exclamar hoje:

Pátria ou Morte!

Socialismo ou morte!

Venceremos! (Aplausos)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*