Notícias »

A virtude de acreditar nos jovens

Raul marcha antorchas«CADA VEZ QUE Raúl se aproxima dos jovens, seus olhos brilham; torna-se dinâmico», disse em tom baixo o lutador revolucionário aposentado Jorge Risquet Valdés, depois de se voltar para mim. O general-de-exército, então ministro das Forças Armadas Revolucionárias (FARs), visitando uma das unidades do Exército do Leste, havia compartilhado com jovens combatentes, incluindo oficiais, nos quais ele reconhecia a vontade de continuar elevando a disposição para o combate.

Risquet foi um companheiro de luta próximo de Raul. Eu tive em conta sua observação mais tarde, durante as poucas vezes que eu participei, como repórter para a imprensa militar, das visitas do segundo chefe da Revolução Cubana ao comando que fundou em 1961. Em cada uma dessas oportunidades, ao trocar ideias com os jovens, Raúl revelou confiança absoluta neles.

Sem dúvida, essa é uma das grandes virtudes manifestas por Raúl Castro em sua longa vida como revolucionário, marcada pela coerência de pensamento e ações.

José Ramón Fernández, outra das personalidades achegadas ao general-de-exército, escreveu: «Seu conhecimento da vida, dos seres humanos, de suas convicções revolucionárias e sua inabalável confiança na juventude tornam o camarada Raul um profundo conhecedor da essência da educação das novas gerações, bem como um crítico contundente de formas e métodos que não correspondem a cada época histórica, a cada nova etapa do desenvolvimento da Revolução, com a realidade, com a própria vida».

«Raúl reconhece, acrescentou Fernandez, que os jovens de hoje são mais exigentes, capazes, cultos, educados e, acima de tudo, mais críticos. Ele alertou, ao mesmo tempo, que o erro é querer se aproximar deles através de fórmulas esquemáticas, com recursos triviais e argumentos não substanciados. Em sua opinião, para alcançar as mentes e os corações dos jovens, fortalecê-los ideológica e politicamente, despertar o seu interesse e estimular as suas motivações, o trabalho político-ideológico, necessariamente, tem que ganhar em extensão e profundidade, deve ser incomparavelmente mais rigoroso e, acima de tudo, mais moderno».

A esse respeito, acrescentou: «Ele concebe a educação dos jovens com os jovens como protagonistas de sua própria formação, como participantes ativos na sua aprendizagem, na obra transformadora em sempre levar a Revolução para novas metas, novos níveis de desenvolvimento, como herdeiros da experiência daqueles que os precederam, mas com sua própria luz, iniciativa, criatividade e um profundo sentimento de compromisso de serem continuadores, sejam quais forem as dificuldades».

Talvez pareça ao leitor que os critérios de Risquet e José Ramón Fernández são profusamente marcados pelas inegáveis ​​simpatias que surgiram na batalha diária junto a Raúl. Mesmo assim, qualquer avaliação feita sobre o papel que ele atribui à juventude na perpetuidade das conquistas políticas e sociais que Cuba desfruta hoje desperta a fúria revolucionária.

Em minha opinião, um daqueles momentos vibrantes em que Raul foi ator principal ocorreu em Santiago de Cuba, em 26 de julho de 2013, durante a celebração do 60º aniversário dos ataques aos quartéis Moncada e Carlos Manuel de Céspedes.

Sua emoção era evidente e a transmitia aos presentes: «Os anos se passaram, mas esta ainda é uma revolução da juventude, como era em 26 de julho de 1953; aqueles que lutaram e caíram nas ruas de Santiago de Cuba, em 30 de novembro de 1956. Jovens foram, esmagadoramente, as pessoas envolvidas na luta contra os bandidos por cinco anos, de 1960 a janeiro de 1965, aproximadamente; durante esse tempo, chegaram a existir bandos ativos de tamanhos diferentes em todas as províncias do país, inclusive no sul da capital. Também foram jovens os que derrotaram os mercenários em Playa Girón (Baía dos Porcos); aqueles que se juntaram, incluindo adolescentes, à campanha de alfabetização, a maioria deles estudantes; aqueles que se juntaram em massa às milícias, às nascentes Forças Armadas Revolucionárias e ao Ministério do Interior; as centenas de milhares de compatriotas que cumpriram missões internacionalistas em outras terras do mundo…»

Raúl lembrou que eram jovens muitos dos que partiram a missões dando serviços de educação e de saúde em outras nações; os cientistas, intelectuais, artistas e atletas que colheram tanta glória; aqueles que, respondendo ao apelo do país, cumprem seu serviço militar, entre eles as meninas que se unem voluntariamente a essa tarefa; os estudantes do ensino secundário; os estudantes universitários; os trabalhadores e camponeses que geram renda para a economia na produção e nos serviços; nossos professores e mestres.

E depois de ressaltar que na pátria convivemos várias gerações, cada uma com sua própria história e méritos, Raúl disse: «A Geração Histórica está deixando seu lugar aos «novos pinheiros» com calma e serena confiança, baseados na preparação e capacidade demonstrada de manter no alto as bandeiras da Revolução e do socialismo, pelas quais deram suas vidas inúmeros patriotas e revolucionários, desde os índios e escravos que se revoltaram contra a opressão até os nossos dias».

Na verdade, reforçava conceitos. Em 4 de abril de 2010, ao encerrar o 9º Congresso da União dos Jovens Comunistas, ocasião em que apontou que a batalha econômica era a principal tarefa e o centro do trabalho ideológico, pois dela depende a sustentabilidade e preservação de nosso sistema social, disse: «Os jovens cubanos são chamados a substituir a geração fundadora da Revolução e liderar a grande força das massas requer de uma vanguarda que convença e mobilize, com base na autoridade que emana do exemplo pessoal, liderada por líderes firmes, capazes e de prestígio, líderes reais, não improvisados, que tenham passado pela forja insubstituível da classe trabalhadora, em cujo seio se cultivam os valores mais genuínos de um revolucionário. A vida demonstrou eloquentemente o perigo de violar esse princípio».

Ao mesmo tempo, ele transmitiu várias dicas. Em uma delas especificou: «Hoje mais do que nunca, precisamos de líderes capazes de realizar trabalho ideológico eficaz, que não pode ser o diálogo dos surdos ou repetição mecânica de slogans; líderes que raciocinem com argumentos sólidos, sem se acreditarem donos absolutos da verdade; que saibam ouvir, mesmo que não gostem do que algumas pessoas dizem; que valorizem com a mente aberta os critérios dos outros, o que não exclui refutar com argumentos e energia aqueles que sejam inaceitáveis».

Da mesma forma, ele abordou a necessidade de incentivar discussões francas e não ver discrepâncias em um problema, mas a fonte das melhores soluções. «A unanimidade absoluta é geralmente fictícia e, portanto, prejudicial. A contradição, quando não é antagônica como é o nosso caso, é o motor do desenvolvimento. Devemos suprimir, com toda intencionalidade, tudo o que alimenta a simulação e o oportunismo. Aprender a reunir opiniões, estimular a unidade e fortalecer a liderança coletiva são características que devem caracterizar os futuros líderes da Revolução».

A seguir, com a experiência ganha em manifestações precoces de rejeição a regimes corruptos e em sucessivas batalhas sob balas que zumbem, bem como em tempestades da natureza, ameaças militares com presságios de cataclismo nuclear e severos confrontos ideológicos, expôs a linha a seguir permanentemente: «Jovens com a atitude e capacidade necessárias para assumir tarefas de direção ao longo do país. O desafio é descobri-los, prepará-los e atribuir-lhes, paulatinamente, maiores responsabilidades».

Nesse dia também citou Fidel: «Acreditar nos jovens é ver neles além de entusiasmo, capacidade; além de energia, responsabilidade; além de juventude, pureza, heroísmo, caráter, vontade, amor à Pátria ¡fé na Pátria!, amor à Revolução, fé na Revolução, confiança em si mesmos! Convicção profunda de que a juventude pode, de que a juventude é capaz, convicção profunda de que nos ombros da juventude podem ser depositadas grandes tarefas».

O invicto condutor da Revolução cubana tinha expressado a ideia, em 4 de abril de 1962, no ato de fundação da União dos Jovens Comunistas. Passados 48 anos, a voz de Raúl transmitia a força e a paixão que unicamente identifica aqueles que lutam ombro a ombro pela justiça plena e anteveem triunfos nas batalhas a serem travadas.

É a atitude mantida hoje, prestes a deixar, por sua própria vontade, a presidência dos Conselhos de Estado e de Ministros. A maior satisfação, disse, «…é a tranquilidade e serena confiança que sentimos ao ir entregando às novas gerações a responsabilidade de continuar construindo o socialismo».

(Granma)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*