Notícias »

Cuba sem hepatite B aguda em menores de cinco anos

niños hepatitis mernos 5 añosCOMO resultado da aplicação da vacina cubana contra essa doença Nosso país não registra casos de hepatite B aguda em crianças abaixo de cinco anos desde 1999, condição que a partir de 2006 também se estendeu aos menores de 15.

O anterior foi ressaltado pelo doutor Gustavo Sierra González, diretor de política científica do Grupo das Indústrias Biotecnológicas e Farmacêuticas BioCubaFarma, ao ministrar uma palestra durante a inauguração do evento internacional ‘Desafíos mundiais da propriedade industrial’, que convocado pelo Gabinete Cubano da Propriedade Industrial (OCPI) e a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), tem suas sessões até quinta-feira, 12 de mio, no capitalino hotel Memories Miramar.

Segundo informou o diretivo, a organização empresarial produz hoje dez das 13 vacinas aplicadas no programa nacional de imunização, o qual tem permitido eliminar por essa via nove doenças e manter outras cinco controladas com índices de incidência sumamente baixos.

O doutor Sierra assinalou, ainda, que a vacina contra a cólera desenvolvida de maneira conjunta por especialistas do Instituto Finlay, o Centro Nacional de Pesquisas Científicas e o Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí se encontra em uma fase muito avançada de testes clínicos, enquanto a Heberprovac contra câncer de próstata termina os testes da fase II mostrando bons resultados de segurança e eficácia.

Precisou que em nível internacional BioCubaFarma fechou o ano 2015 com 2.438 registros de patentes concedidos, a maioria dos quais estiveram centrados no setor da biotecnologia, seguidos pelos equipamentos médicos e diagnosticadores.

Ao falar na cerimônia de abertura, a máster em Ciências María de los Ángeles Sánchez Torres, diretora-geral da OCPI, sublinhou que essa instituição desenvolve um conjunto de ações encaminhadas a inserir a propriedade industrial como ferramenta de gestão no desempenho organizativo das entidades nacionais, na estratégia de importação de bens e serviços, e no processo de transferência de tecnologia dos principais resultados d exportação dos centros de pesquisa e desenvolvimento do país.

Também interveio o senhor John Sandage, diretor-geral adjunto do Setor de Patentes e Tecnologia da Organizacção Mundial da Propriedade Intelectual.

(Granma)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*