Notícias »

Em nome deste nobre povo, eu lhe dou as mais calorosas boas-vindas

Raul papa idiomasSantidade:

O povo e o governo de Cuba recebem o senhor com profundos sentimentos de carinho, respeito e hospitalidade.

Sentimo-nos muito honrados com sua visita. Poderá apreciar que amamos profundamente nossa Pátria, pela qual somos capazes de realizar os maiores sacrifícios. Sempre fomos norteados pelo exemplo dos próceres de Nossa América, os quais nos legaram dignidade, coragem e generosidade. Graças a eles temos sabido praticar o axioma martiano de que Pátria é Humanidade.

O encontro memorável que o senhor e eu tivemos, em maio passado, na Cidade do Vaticano, constituiu uma oportunidade para trocar ideias sobre algumas das questões mais importantes do mundo em que vivemos.

Os povos da América Latina e do Caribe têm se proposto avançar rumo a sua integração, em defesa da independência, a soberania sobre os recursos naturais e a justiça social.

No entanto, nossa região continua sendo a mais desigual na distribuição da riqueza. No continente, os governos legitimamente constituídos que trabalham em prol de um futuro melhor, enfrentam inúmeras tentativas de desestabilização.

Nós temos acompanhado de perto seus pronunciamentos. A exortação apostólica “A Alegria do Evangelho”, sobre questões sociais, e a carta encíclica “Louvado Seja”, virada para o futuro e o cuidado do planeta e da humanidade provocou em mim uma reflexão profunda. Eles vão ser pontos de referência para a próxima Cúpula sobre a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015, a ser realizada na ONU neste mês, e a 21ª Conferência Internacional sobre Mudança Climática, a ser realizada em dezembro, em Paris.

Começa a ter uma ressonância crescente no mundo a análise feita pelo senhor das causas desses problemas e o apelo para salvaguardar o planeta e para a sobrevivência de nossa espécie; a cessação das ações predadoras dos países ricos e das grandes corporações, para eliminar os perigos enfrentados por todos no que diz respeito ao esgotamento dos recursos e a perda da biodiversidade.

Como bem Sua Santidade lembra: “A humanidade é chamada a tornar-se consciente da necessidade de realizar mudanças nos estilos de vida, de produção e consumo”.

O líder da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, em 1992, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro, expôs a necessidade de salvar a humanidade da autodestruição, distribuir melhor a riqueza, o conhecimento, a ciência e as tecnologias para o desenvolvimento sustentável, “fazer desaparecer a fome e não o homem”, segundo afirmou.

O atual sistema internacional é injusto e imoral. Globalizou o capital e converteu o dinheiro em seu ídolo. Converte os cidadãos em meros consumidores. Em vez de espalhar o conhecimento e a cultura, os aliena com reflexos e padrões de comportamento promovidos por meios que só servem aos interesses de seus proprietários, a mídia corporativa transnacional.

A crise profunda e permanente recai com dureza brutal nos países do Terceiro Mundo. Nem conseguem fugir dela os excluídos no mundo industrializado, as minorias, os jovens desempregados e os indigentes idosos, aqueles que procuram refúgio contra a fome e os conflitos. Ofende consciência humana o que acontece com os imigrantes e os pobres. Estes são os indignados do mundo clamando por seus direitos e pelo fim da tamanha injustiça.

Santidade:

Em suas palavras enviadas aos dois encontros mundiais dos Movimentos Populares, em outubro do ano passado, em Cidade do Vaticano e julho deste ano, em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, reiterou a necessidade de praticar a solidariedade e lutarmos unidos contra as causas estruturais da pobreza e a desigualdade, pela dignidade humana e se referiu ao direito à terra, ao teto e ao trabalho.

Para conquistar esses direitos, entre outros, foi concebida a Revolução Cubana. Por eles, Fidel reclamou em sua histórica alegação de defesa, conhecida como “A história me Absolverá”.

Para alcançar uma sociedade mais justa e solidária, temos trabalhado com grande esforço e enfrentado os maiores riscos desde o triunfo da Revolução.

Temos feito isso bloqueados, caluniados, atacados, com um alto custo de vidas humanas e grandes prejuízos econômicos. Nós fundamos uma sociedade com equidade e justiça social, com amplo acesso à cultura e apego às tradições e às ideias mais avançadas de Cuba, da América Latina, do Caribe e do mundo.

Milhões de pessoas recuperaram a sua saúde graças à cooperação cubana: 325.710 colaboradores trabalharam em 158 países, hoje, 50.281 trabalhadores da saúde cubanos estão servindo em 68 nações. Graças ao programa “Sim eu posso” 9,37 milhões de pessoas foram alfabetizadas em 30 Estados; e mais de 68 mil estudantes estrangeiros de 157 países já se formaram em Cuba.

Avançamos resolutamente na atualização de nosso modelo econômico e social, para construir um socialismo próspero e sustentável, com foco no modelo humano, a família e a participação livre, democrática, consciente e criadora da sociedade toda, especialmente dos jovens.

Preservar o socialismo é garantir a independência, a soberania, o desenvolvimento e o bem-estar da nação. Nós temos a determinação mais firme de enfrentar todos os desafios para alcançar uma sociedade virtuosa e justa, com valores éticos e espirituais elevados. Como observou o venerável presbítero Félix Varela, “…queremos que as gerações futuras herdem de nós a dignidade dos homens e lembrem o que custa recuperá-la para que tenham medo de perdê-la…”

A unidade, identidade e integração regional devem ser defendidas. A Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, assinada pelos chefes de Estado e de governo na Segunda Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos, realizada em Havana, em janeiro de 2014, estabelece um conjunto de compromissos de importância vital, como a solução pacífica de controvérsias, a fim de banir para sempre o uso e a ameaça do uso da força em nossa região; não intervir, direta ou indiretamente, nos assuntos internos de qualquer outro Estado e observar os princípios da soberania nacional, a igualdade de direitos e a livre autodeterminação dos povos, promover as relações de amizade e de cooperação entre eles e com outras nações; e respeitar plenamente o direito inalienável de todos os Estados a escolher seu sistema político, econômico, social e cultural como uma condição essencial para garantir a coexistência pacífica entre as nações.

Para Cuba, os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas têm plena vigência. Somente o respeito a estes pode garantir a paz e a segurança internacionais cada vez mais ameaçadas.

Conhecemos com grande interesse as palavras de Sua Santidade, no ensejo da comemoração do 70º aniversário dos ataques nucleares contra as cidades de Hiroshima e Nagasaki.

A existência das armas nucleares é uma ameaça para a própria sobrevivência dos seres humanos e uma afronta aos princípios morais e éticos que devem reger as relações entre as nações. Seu uso significaria o desaparecimento da civilização humana. Advogar pelo desarmamento e muito particularmente, pelo desarmamento nuclear, é não só um dever, mas também um direito de todos os povos do mundo.

Santidade:

Nós apreciamos seu apoio ao diálogo entre os Estados Unidos e Cuba. O restabelecimento das relações diplomáticas foi um primeiro passo no processo para a normalização das relações entre os dois países, que vão exigir a solução de problemas e a reparação das injustiças. O bloqueio, que causa danos humanos e dificuldades para as famílias cubanas é cruel, imoral e ilegal e deve cessar. O território usurpado da Base Naval em Guantánamo deve ser devolvido a Cuba. Outras questões também devem ser resolvidas. Essas demandas são compartilhadas pelos povos e a grande maioria dos governos do mundo.

Comemoramos neste ano, Santidade, o 80º aniversário das relações ininterruptas entre a Santa Sé Apostólica e Cuba, que são boas e se desenvolvem favoravelmente sobre a base do respeito mútuo.

O governo e a Igreja Católica em Cuba mantêm relações em uma atmosfera edificante, tal como acontece com todas as religiões e instituições religiosas no país, que incutem valores morais que a Nação aprecia e cultiva. Exercemos a liberdade religiosa como direito consagrado em nossa Constituição.

Atribuímos à presença de Sua Santidade em nosso país todo seu significado. Será importante e enriquecedor para a nação sua reunião com um povo trabalhador, educado, desinteressado, generoso, com profundas convicções, valores patrióticos, disposto a continuar sua heróica resistência e a construir uma sociedade que garanta o pleno desenvolvimento, de mulheres e homens, com dignidade e justiça.

Em nome deste nobre povo, eu lhe dou as mais calorosas boas-vindas.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*