Notícias »

Presidente francês culminou visita bem-sucedida a Cuba

Raul-HollandeTERÇA-FEIRA, bem cedo na manhã, o presidente Raúl Castro esteve presente no aeroporto internacional José Martí, para se despedir do presidente francês, François Hollande, que chegou a Havana na noite do domingo 10, para uma visita oficial, descrita como histórica, por ter sido a primeira de um dignitário francês à nação caribenha.

Após uma troca nos salões do terminal, Raúl acompanhou Hollande até a escadaria do avião que o levaria ao Haiti, último ponto de sua turnê pelo Caribe. Minutos antes de sair, o presidente francês agradeceu ao general-de-exército “por esta visita tão útil”, e previu a presença aqui de muitos outros presidentes, além de um bom desenvolvimento para a nação, “vocês poderão fazer o que quiserem com seu país”, disse.

Após a despedida, o presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros de Cuba deu à imprensa suas considerações sobre a estada aqui do presidente francês, bem como de outras questões da realidade cubana. Raul disse que na noite anterior havia dito a Hollande que viria para se despedir dele, “o que é um sinal da satisfação que temos com os resultados de sua visita”.

Raul resumiu o programa de atividades do presidente francês na capital, que incluiu uma visita ao comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz, uma palestra na Aula Magna da Universidade de Havana, a inauguração da nova sede da Aliança Francesa e da realização do Fórum Empresarial Cuba-França, onde se mostraram grandes perspectivas nos negócios. “Foi muito claro, muito claro, muito amigável”, disse o general-de-exército.

Quanto às relações com a União Europeia (UE), o presidente cubano explicou que em junho será realizada em Bruxelas, a Cúpula UE-Celac, na qual “esperamos não ter que falar tanto quanto na do Panamá, porque, em última análise, a posição comum da União Europeia em relação a Cuba nunca deveria ter existido, isso foi uma importação… cuja instrução foi feita em inglês, mas isso vai se resolver”.

Sobre o aperfeiçoamento do modelo econômico e social, comentou que “vai a um bom ritmo, muitos criticam que vai devagar, mas eu me pergunto por que nós temos que ir correndo para cometer erros… Não queremos tomar qualquer medida para sacrificar nosso povo, que é o mais importante e nosso povo entende isso”.

Raul disse que “a questão do bloqueio não foi resolvida, está começando agora”. Sobre a inclusão de Cuba na lista de países que patrocinam o terrorismo, ele observou que este era um ‘título honorário’ imposto injustamente. “Como eu disse no Panamá, que tipo de terrorismo é esse que os mortos são nossos e aqueles que nos atacam têm nenhum. Nós não temos assassinado ninguém, nem temos colocado qualquer bomba em qualquer hotel”.

Raúl comentou que em 29 de maio próximo conclui o prazo de 45 dias após a certificação do presidente Obama ao Congresso. “Essa acusação vai ser eliminada e então podemos avançar no processo de restabelecimento das relações diplomáticas e a reabertura de embaixadas, incluindo a acreditação dos embaixadores de ambos os países”.

Depois, referiu-se às restrições de movimento impostas aos diplomatas cubanos nos Estados Unidos, de cerca de 20 milhas, a partir da administração Reagan. “Então, nós impusemos as mesmas restrições aos seus diplomatas aqui. Agora eles alegam que seus diplomatas não devem ter mais limitações de movimentos que em outros países”. E a seguir, Raul expressou que o que mais nos preocupa é que eles continuem cometendo ilegalidades como antes, o que nos obriga a tomar medidas. “O que propomos, simplesmente, é que temos de ajustar-nos aos acordos sobre o comportamento dos diplomatas de todo o mundo, aprovados na Convenção de Viena”, precisou.

Uma vez que as relações diplomáticas sejam restauradas, podemos avançar em direção à normalização, significou Raul. Mas isso é outro assunto. Para isso “deve ser removido o bloqueio e a Base Naval de Guantánamo deve ser devolvida”.

Enquanto Raul proferia estas palavras, o avião do presidente francês se preparava para a decolagem, culminando assim uma visita qualificada de histórica e útil para ambos os países, que mais uma vez evidenciou a boa recepção do povo cubano a seus hóspedes. Não por acaso, as últimas palavras de Hollande aos repórteres, antes de sair foram, “obrigado pela hospitalidade”.

(Granma)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*