Notícias »

Expropriação da petroleira YPF Argentina a exame de deputados

Buenos Aires, 2 mai (Prensa Latina) A Câmara de Deputados da Argentina iniciará hoje o debate de um projeto de lei para declarar de interesse público o autoabastecimento de hidrocarbonetos e expropriar 51 por cento das ações da petroleira YPF.

Os debates no recinto começarão às 15:30 horário local e se prolongarão até a meia-noite, para passar por um intervalo e reiniciar a discussão na quinta-feira pela manhã.

Estima-se que às 20:00 horário local desse mesmo dia possa realizar-se a votação geral da iniciativa, que conta já com meia sanção do Senado, para imediatamente depois abrir a discussão de cada um dos artigos.

Meios de imprensa aqui estimam que o projeto poderia se converter em lei nesta quinta-feira com o respaldo de mais de 200 dos 257 legisladores que conformam a Câmara de Deputados, o que resultaria uma das votações com maior consenso favorável registrada nos últimos anos no Legislativo.

Além da oficialista e maioritária Frente para a Vitória, a expropriação de 51 por cento das ações da espanhola Repsol na YPF é apoiada pela União Cívica Radical, Frente Ampla Progressista, Projeto Sul e por parte da Coalizão Cívica e da Frente Peronista.

Na última quinta-feira, um plenário de comissões da Câmara de Deputados decidiu a favor com maioria -mais de 70 assinaturas a favor- da iniciativa, enviada ao Congresso da Nação no dia 16 de abril pela presidenta Cristina Fernández.

Além do projeto oficial, a Câmara de Deputados emitirá outras três decisões de minoria, que em seu conjunto contam com o respaldo de 13 legisladores.

A proposta do Executivo declara de interesse público nacional tanto o autoabastecimento de hidrocarbonetos como a exploração, industrialização e comercialização destes recursos, a fim de garantir o desenvolvimento econômico com igualdade social no país.

Ao fundamentar a decisão de voltar a ter o controle estatal sobre a petroleira YPF, privatizada em 1992, Cristina Fernández considerou necessário recuperar o domínio de recursos que -sublinhou- não só são estratégicos, como são vitais.

Pontualizou também que, como consequência do mau desempenho da Repsol, entre 2001 e 2011 as reservas de combustível no país se reduziram em 50 por cento, enquanto a baixa produção obrigou a que no ano passado a Argentina se convertesse, pela primeira vez, em importador líquido de gás e petróleo.

Se prosseguir esta política de esvaziamento, de não produção nem exploração, nos tornaríamos um país inviável não por falta de recursos, mas como resultado de péssimas políticas empresariais, advertiu.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*