Notícias »

Japão eleva nível de alerta nuclear ao máximo

O Japão elevou hoje ao máximo (7) o nível de alerta nuclear na planta Fukushima Daiichi (F-1), catalogado como acidente grave, segundo a escala Internacional de eventos deste tipo, conhecida como INES.

Esta categoria aplica-se quando se produz uma maior libertação de material radioativo que põe em risco a saúde em geral e o meio ambiente. Seu estabelecimento impõe medidas de combate aos riscos.

Até agora o único caso no mundo com essa classificação era a catástrofe da central de Chernóbil, na Ucrânia, ocorrida em 1986.

A decisão do governo japonês esteve precedida por um incêndio na manhã desta terça-feira no edifício de amostra, próximo a uma tomada de água, no reator 4 da F-1.

Também ontem se decidiu ampliar a área de evacuação para 40 quilômetros devido aos altos níveis de radioatividade acumulados para além dos 20 quilômetros que tinha estabelecido desde os primeiro dias da crise.

A medida responde ao risco que representa para a saúde humana a contínua exposição dessas substâncias, enquanto uma forte réplica de 7,1 graus de magnitude estremeceu ontem a área afetada em 11 de março pelo terremoto de 9,0 graus e subsequente tsunami.

O movimento telúrico de ontem voltou a sacudir edifícios em Tóquio e uma ampla zona do leste do Japão. Como consequência, ficaram sem energia elétrica cerca de 220 mil casas e o sistema de bombeamento de água para o esfriamento dos três reatores destruídos (1,2 e 3) em F-1.

A réplica também obrigou a postergar os planos de extrair a água altamente contaminada de parte da unidade 2 para um lugar de armazenamento onde antes tinha outra menos radioativa que foi lançada ao oceano.

Este último acontecimento, unido às constantes emissões do complexo nuclear, preocupa a comunidade internacional por seus possíveis efeitos nos ecossistemas marinhos e em particular na saúde das pessoas dos países vizinhos.

(Prensa Latina)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*